CCEA

CCEA

Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas

Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas completa 14 de existência com avanços e valorização do trabalho

28 de agosto de 2020

A instalação da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) na cidade de Patos se deu através da criação do Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas (CCEA), Câmpus VII da Instituição que leva o nome do governador Antônio Mariz. Ela ocorreu durante o reitorado da professora Marlene Alves Luna, que através de uma política de expansão conquistada a partir da autonomia financeira da UEPB, possibilitou a ampliação das atividades universitárias no estado. Oficialmente inaugurado no dia 28 de agosto de 2006, o Câmpus VII completa neste ano de 2020, 14 anos de existência.

No início das suas atividades o CCEA ocupava as instalações da antiga Escola Profissional Ministro Ernani Sátyro, localizada na Rua 5 de Agosto, no Bairro do Belo Horizonte, Patos, onde funcionava a 6ª Gerência Regional de Ensino. Neste local, o câmpus funcionou até dezembro de 2008, momento em que, através de uma permuta com a Escola Normal Dom Expedito Eduardo de Oliveira e a Escola Capitão Manoel Gomes, passou a ocupar o prédio localizado à Rua Alfredo Lustosa Cabral, s/n, no bairro do Salgadinho.

Entre agosto de 2006 e setembro de 2010, a Direção do CCEA ficou a cargo da professora Rochane Villarim de Almeida. A implantação do Centro de Ciências Exatas e Sociais Aplicadas trouxe para o Sertão do Estado cursos que objetivavam atender a demanda da região, como a formação de administradores privados e gestores públicos, a partir do Curso de Bacharelado em Administração, e a formação de professores da Educação Básica, a partir dos cursos de Licenciatura em Ciências Exatas e Licenciatura em Computação.

Entre os anos de 2006 e 2010 a estrutura do Câmpus VII se consolidou com uma estrutura composta por 14 salas de aulas, laboratórios de Química e Computação, além do projeto de criação da Biblioteca Setorial, que presta homenagem ao jornalista Virgílio Trindade. Durante esse período o CCEA contou com um quadro técnico constituído por 37 professores, 18 técnicos administrativos e cerca de 1.100 alunos, matriculados nos Cursos de Licenciatura em Ciências Exatas, Bacharelado em Administração e Licenciatura em Computação.

O Curso de Ciências Exatas funcionou até 2011 na modalidade de Licenciatura Plena, com habilitação em Química, Física e Matemática. O curso foi criado pela RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/016/2006, justificado à época pela carência de professores formados nessa área de conhecimento, objetivando minimizar a multiplicação de leigos em escolas públicas e particulares. O Curso de Bacharelado em Administração foi criado pela RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/015/2006, com a proposta de formação profissional para as diferentes funções de gerenciamento, análise e planejamento das atividades empresariais, especialmente nas áreas de Finanças, Marketing, Recursos Humanos, Informática e Gestão.

Já o Curso de Licenciatura em Computação foi criado através da RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/017/2006. A partir das diretrizes curriculares estabelecidas pelo Ministério da Educação, o perfil profissional foi àquele sugerido pela Sociedade Brasileira de Informática, consubstanciado no domínio de técnicas e na formação profissional didático-pedagógica.

Em 2011, com cinco anos de existência e sob a direção dos professores Odilon Avelino da Cunha e Ilauro Souza de Lima, como diretor e diretor adjunto, respectivamente, o CCEA inaugurou a Biblioteca Setorial Professor Virgílio Trindade. Durante a gestão dos professores todas as salas de aula foram climatizadas, havendo significativas melhorias no mobiliário do câmpus com a aquisição de novos equipamentos escolares, além da expansão do quadro de professores e funcionários e a redefinição de espaços internos na perspectiva de otimizar e dinamizar o ambiente acadêmico.

Em 2012, objetivando a adequação dos cursos às necessidades de formação profissional prevalecentes, houve o desmembramento do Curso Licenciatura de Ciências Exatas, nos cursos de Licenciatura em Física e Licenciatura em Matemática. Esse desmembramento resultou da RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/035/2011, que criou os Cursos de Licenciatura em Física e Licenciatura em Matemática. Em 2013, no segundo mandato do professor Odilon Avelino da Cunha como diretor, e tendo como diretora adjunta a professora Cheyenne Ribeiro Guedes Isidro Abilio, o Curso de Licenciatura em Computação foi transformado no Curso de Bacharelado em Ciência da Computação, atendendo às exigências da nova configuração do mercado profissional da área.

No início de 2014, para atenuar os problemas de espaço físico em função falta de salas de aulas para o desenvolvimento das atividades dos diversos cursos em funcionamento, foi estabelecido entre a UEPB e o Governo do Estado o Termo de Cessão de Uso Gratuito de Bem Imóvel, em que o câmpus passou a utilizar cinco salas de aula da Escola Estadual Dr. Dionísio da Costa (PREMEM), localizada ao lado do prédio onde atualmente se desenvolvem as aulas e atividades gerais de graduação do CCEA.

Entre 2015 e 2016, sob a gestão da professora Cheyenne Ribeiro Guedes Isidro Abilio, como diretora, e da professora Lidiane Rodrigues Campêlo da Silva, como diretora adjunta, foi realizado um conjunto de ações que resultaram na organização do estacionamento, no plantio de árvores objetivando uma melhor arborização do câmpus, na climatização das salas cedidas temporariamente pela Escola Estadual Dr. Dionísio da Costa, propiciando um maior conforto térmico aos professores, alunos e funcionários. Ainda durante este período houve a construção do novo Centro de Vivências do câmpus, um espaço equipado com ambientes para fotocopiadoras e lanchonetes, além do Espaço de Vivência dos estudantes.

Atualmente, o CCEA está sob a gestão dos professores Adriano Homero Vital Pereira, e Odilon Avelino da Cunha, diretor e diretor adjunto, respectivamente. Durante esta gestão uma série de atividades foram realizadas com o objetivo fundamental de resolver os problemas de espaço físico e infraestrutura do câmpus, entre as quais destacam-se: a construção de salas de aulas, do auditório Celso Furtado, com capacidade para 250 lugares; construção da nova Biblioteca Setorial, ampliação das áreas de convivência, melhoria das instalações físicas e estruturais do câmpus, além da realização de diversos eventos culturais e sociais que passaram a fazer parte das atividades integrantes do Centro.