CCAA

CCAA

Centro de Ciências Agrárias e Ambientais

Programa Adote uma Árvore completa 10 anos contribuindo para melhorar o meio ambiente paraibano

10 de Maio de 2017
Clique para exibir o slide.

Ar puro, clima agradável e muita sombra. Criado em 2006, mas só iniciado as atividades como projeto de Extensão em 2007, transformado em programa em 2010 e institucionalizado em 2012, o programa de arborização “Adote uma Árvore” da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) está completando 10 anos e entrando em nova fase.

Idealizado pelo professor e biólogo Ivan Coelho Dantas, o programa já cultivou e distribuiu nesse período mais de 300 mil mudas, contribuindo assim para diminuir o déficit de árvores da cidade de Campina Grande e regiões circunvizinhas, bem como colaborar com o meio ambiente paraibano.

Como forma de celebrar seus 10 anos, o “Adote uma Árvore” pretende intensificar ao longo desse ano a distribuição de mudas nas escolas, associações comunitárias, empresas e entidades parcerias. Atualmente o programa mantém uma produção de aproximadamente 50 mil mudas, distribuídas nos viveiros “Horto “Lauro Xavier” e Psicultura “Arthur Freire”, instalados nas margens do Açude de Bodocongó, no Câmpus de Campina Grande, bem como no horto que funciona no Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA), no Câmpus de Lagoa Seca.

São cultivadas nesses três viveiros plantas como ipê amarelo, rosa, branco e roxo, ipê de jardim, aroeira, craibeira, jasmim, flamboyant mirim, palmeira mexicana, pata-de-vaca, madeira nova, entre outras espécies. Coordenador atual e integrante do programa desde a sua concepção, o professor do Departamento de Biologia, Délcio de Castro Felismino, explica que mesmo com a escassez de água por conta da seca, os viveiros permaneceram em plena atividade.

Professor Délcio conta que a pretensão inicial do professor Ivan era criar um projeto com o intuito de contribuir com o trabalho de recomposição de matas ciliares, incentivo à recuperação de áreas degradadas e arborização de ruas e logradouros das cidades. A intenção era manter viveiros permanentes para produção de mudas de forma contínua e por tempo indeterminado, contribuindo para arborização das cidades interessadas, com incremento de educação ambiental.

Só que a iniciativa cresceu, ficou mais abrangente e ganhou nova dimensão, sendo submetido e aprovado ao programa da Pró-Reitoria de Extensão (PROEX). A partir de 2010, devido ao seu perfil, características e objetivos, foi transformado em programa, contemplado com duas bolsas de extensão. Devido à sua expansão e metas bem específicas e abrangentes, em 2012 foi institucionalizado pelo Conselho Universitário (CONSUNI), ficando assim vinculado a Pró-Reitoria de Infraestrutura (PROINFRA).

Segundo o professor Délcio, desde a sua criação até a atual data, o programa vem recebendo apoio incondicional de todos os setores da Instituição, principalmente no que diz respeito a sua submissão junto ao programa de extensão coordenado pela PROEX. No ano passado, o “Adote uma Árvore” passou a contribuir para o reflorestamento da mata ciliar em torno do Açude Epitácio Pessoa, em Boqueirão. Em torno do reservatório foram plantadas cerca de 10 mil mudas, com o objetivo de recompor a área que sofreu com o desmatamento dos últimos anos.

O Adote uma Árvore visita escolas e empresas e ganha destaque em eventos como a Semana do Meio Ambiente e a Semana da Árvore. Nessas ocasiões, são proferidas palestras e prestados esclarecimentos sobre a importância do cuidado e do cultivo das plantas. A equipe também realiza palestras em escolas. Atualmente o programa envolve dois centros: o Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS) e o Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA), que envolvem os departamentos de Biologia do Câmpus I e de Agroecologia do Câmpus II, além da Escola Técnica Agrícola Assis Chateaubriand, na iniciativa.

Para funcionar, o “Adote uma Árvore” envolve um grupo de professores, estudantes, funcionários e técnicos agrícolas. O professor Délcio também destaca as parcerias que a UEPB firmou com várias instituições e entidades públicas e privadas, o que tem ajudado a manter o programa com as chamadas contrapartidas. Como forma de colaborar com o programa, as entidades parceiras oferecem equipamentos e implementos agrícolas. As parcerias não envolvem valores financeiros.

Em uma dessas parcerias, o programa conseguiu adquirir um dessalinizador e um carro pipa que atendem as necessidades do viveiro do Câmpus de Lagoa Seca. “Hoje nós temos parcerias com prefeituras do interior e até de outros estados”, salienta o professor Délcio.

Três subprojetos aprovados pelo programa de extensão estão vinculados ao programa: “A Produção de Mudas”, “Quebra de dormência de espécies florestais” e “Arborização e Educação ambiental”. Estes subprojetos visam, respectivamente, produzir as mudas que irão atender a demanda do Adote uma Árvore, avaliar os efeitos de diferentes tratamentos para superação da dormência de sementes e adaptação a ambientes desfavoráveis ao plantio, além de contribuir para arborização das cidades, estimular e sensibilizar a capacitação de agentes multiplicadores ambientais, através de cursos e palestras junto aos alunos e comunidades, com elaboração de apostilas, folderes, cartilhas e manuais de arborização.

O “Adote uma Árvore” tem ajudado a produzir uma consciência ecológica e ajudado a melhorar o meio ambiente. A produção das espécies obedecem as normas estabelecidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Nos viveiros mantidos pelo programa foram construídos canteiros, sementeiras e sistema de irrigação, além de estufas e minhocários.

 
Texto: Severino Lopes
Fotos: Divulgação