CCTS

CCTS

Centro de Ciências, Tecnologia e Saúde

Primeira etapa do Encontro de Sanfoneiros e Tocadores de Fole de Oito Baixos é realizada em Araruna

9 de Março de 2017

Começou na manhã desta quarta-feira (8), em Araruna, a primeira etapa do 1º Encontro de Sanfoneiros e Tocadores de Fole de Oito Baixos da Paraíba, uma realização da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Bastante prestigiado pela comunidade local e de áreas circunvizinhas, o evento foi sediado no auditório Câmpus VIII da UEPB e contou com uma grande programação que aconteceu por todo o dia.

O Encontro teve início logo no hall do Auditório do Câmpus, quando a plateia e os sanfoneiros foram recebidos pelos emboladores de coco, Fredi Guimarães e Canário do Império. A primeira etapa da iniciativa teve a inscrição de 24 sanfoneiros de várias regiões do entorno de Araruna, a exemplo de Passa e Fica (RN) e Barra de Santa Rosa (PB), com uma faixa etária que compreendia dos 11 aos 90 anos. Além disso, o evento chamou a atenção dos estudantes, professores e funcionários do Campus, que também estiveram presentes às atividades.

Na solenidade de abertura estavam o diretor do Centro de Ciências, Tecnologia e Saúde (CCTS), Manuel Antônio Gordón Nunez, o vice-diretor, Leidimar Bezerra, o pró-reitor de Cultura da UEPB, José Cristóvão de Andrade, o pró-reitor adjunto de Cultura, José Benjamim Pereira Filho e o coordenador local do evento, Lino Sapo. Mais tarde, o prefeito de Araruna, Vital Costa, incorporou-se à plateia.

Em suas falas, o diretor e o vice-diretor do câmpus deram as boas-vindas aos participantes e externaram sua satisfação ao receberem a primeira etapa do projeto. “É uma felicidade para nós proporcionar esse intercâmbio de saberes, reunindo aqui em Araruna lideranças da cultura popular e mostrando que a Universidade reconhece a valoriza o papel de destaque que elas têm”, apontou Manuel Antônio Gordón Nunez.

Leidimar Bezerra destacou que a música genuína da Paraíba está profundamente enraizada nessas manifestações, as quais possuem os sanfoneiros como mestres maiores. “Arte e vida se misturam em uma oportunidade em que todos os conhecimentos estão integrados e dialogam”, afirmou. Já o coordenador local do evento, Lino Sapo, ressaltou que esse projeto da UEPB tem uma importância enorme, porque faz a Instituição chegar aonde nunca havia chegado, enaltecendo artistas que em muitos casos trabalham sem apoio.

O pró-reitor José Cristóvão de Andrade, em seu discurso da abertura, endossou que a cultura popular no Brasil tem uma relevância tamanha que não é possível dimensionar. “Compreendemos quem está envolvido com a cultura de massas, mas é nossa missão manter e preservar esse legado para as próximas gerações. Não podemos deixar que esse verdadeiro patrimônio da estética regional se perca. A história brilhante desenhada pelos gênios do Nordeste, com seus ritos e talento precisa continuar, ser cada vez mais fortalecida, o povo precisa conhecer sempre mais. Por isso essa ação é fundamental e também porque permite um maior engajamento e articulação de todos”, afirmou.

O pró-reitor adjunto, José Benjamim Pereira Filho, ovacionado em seu discurso, pontuou que “toda a fama e glória” deveriam ser dadas aos sanfoneiros. “Os sanfoneiros são a peça principal de todos os espetáculos, mas o reconhecimento inexiste, são injustiçados. Recebem um cachê mixo e muitas vezes esperam meses para receber, sempre depois das ‘grandes estrelas’. O Brasil trata muito mal seus artistas da sanfona. Muitos vivem da agricultura, é com suor que conseguem manter suas famílias. É lamentável, porque deveriam ter direito a uma vida digna com seu ofício, deveriam conseguir viver exclusivamente por meio de seu instrumento, sem passar por essas situações constrangedoras. O sanfoneiro é a alma de toda festa nordestina, mas não recebe um tratamento honrado”, explicou.

Aula espetáculo, oficina e apresentações

Após o intervalo do almoço, o Encontro deu prosseguimento a uma aula espetáculo e a uma oficina, ministradas por Luizinho Calixto, artista renomado na área da sanfona de oito baixos e professor do Centro Artístico-Cultural (CAC) da UEPB. Participaram da oficina o curador da área de música do Museu de Arte Popular da Paraíba (MAPP), Sandrinho Dupan, e os músicos do Grupo de Tradições Populares Acauã da Serra, Erivan Ferreira e Erivelton da Cunha, também docentes do CAC. O diretor do Acauã, Agnaldo Barbosa, também participou auxiliando o evento.

Na oportunidade, Luizinho fez uma explanação geral acerca dos instrumentos, forneceu detalhes acerca da afinação, deu dicas aos sanfoneiros e relatou algumas experiências, a exemplo de quando se apresentou aos 15 anos para Luiz Gonzaga. Muitos sanfoneiros, aliás, inscreveram-se no Encontro para conhecer Luizinho, já por sua fama entre os músicos da sanfona.

“Ao final da apresentação para Luiz Gonzaga, ele me pagou, naquela época, com o equivalente a R$5 mil. Era muito dinheiro e fiquei surpreso, mas ele me disse, sorrindo, que comprasse um sapato. Minha mãe achou que ele tinha se enganado, que era melhor devolver, mas meu irmão, Zé Calixto, apaziguou as coisas dizendo que ele sabia o que estava fazendo”, disse Luizinho.

Na ocasião, Sandrinho Dupan, que no final do ano passado ministrou oficinas de ritmos brasileiros na Alemanha, na Suíça e na Itália, relatou aos sanfoneiros que muito se fala sobre a morte do forró, ou que o ritmo está enfraquecendo, mas que isso não condiz com a realidade. “Só em 2017 estão previstos 39 festivais de forró em toda Europa. Eu estava em Zurique e ouvi uma música de Zito Borborema, que, como diz Biliu de Campina, é a pré-história do forró. Não pedi essa música, não foi por minha presença ali. Então, podem ter certeza, o forró está tomando conta do mundo”, enfatizou.

Após a aula espetáculo e a oficina, cada sanfoneiro escolheu uma ou duas músicas de sua predileção, sendo algumas autorais, para se apresentar no palco do auditório com Sandrinho, Erivan e Erivelton. Muitos externaram o desejo de tocar uma delas com Luizinho Calixto, que prontamente os atendia. Finalizando o evento, todos os integrantes foram para uma apresentação final no antigo Mercado Público de Araruna, que, restaurado, hoje é palco de atividades culturais.

A Comissão Organizadora do Encontro agradece a Prefeitura Municipal de Araruna, a Roberto Sanfoneiro e a Nilson Santos, da Rádio Serrana de Araruna.

Vida de Sanfoneiro

Na primeira etapa do 1º Encontro de Sanfoneiros e Tocadores de Fole de Oito Baixos da Paraíba uma verdade que já se adivinhava ficou muito clara: a maioria dos sanfoneiros que estiveram no evento lidou com uma infância de pobreza e precisou abandonar os estudos muito cedo para trabalhar no campo. É o que narrou, por exemplo, o mais velho participante do Encontro. Abraão Basílio Bezerra, de 90 anos, conhecido como “Seu Cabral”, é de Barra de Santa Rosa (PB) e deixou a escola na primeira série. Trabalhou na roça por muito tempo, mas a vida só começou a melhorar um pouco, quando, sozinho, aprendeu a tocar sanfona.

“Foi um dom que Deus me deu, porque ninguém nunca me disse como era que fazia”, disse. Seu Cabral estava ansioso para se apresentar, levantava da cadeira na plateia, voltava ao lugar, ia lá fora. “Quero mostrar que toco muito, só as mais difíceis de tirar”, explicou, antes de subir ao palco. E o auditório de Araruna veio abaixo quando ele começou.

Com 12 filhos e 45 netos ele disse que por muito tempo sustentou a família com o pouco dinheiro que ganhava na roça. “Eu comprava pão uma vez por semana. Era um pão para dividir para três pessoas. Quando comecei a tocar foram surgindo convites para me apresentar em muitos lugares, em rádios e festas e isso foi me ajudando. Não pretendo parar de tocar. No dia que precisar parar, não saio mais de casa”, afirmou.

Uma história parecida com a de Seu Cabral é a de Antônio de Lima Fernandes, 68, morador de Araruna. “Estudei até a terceira série, mas precisei trabalhar cedo no campo. Comecei a tocar sanfona porque meu pai achava bonito quem tocava e comprou uma para mim. Infelizmente, semanas depois da minha primeira apresentação ele morreu. Mas pelo menos me viu tocar, né? Teve essa satisfação. E eu segui tocando. A sanfona se transformou numa profissão muito boa. Mesmo não sendo muito, ganhei mais dinheiro com ela do que com a enxada. Na época de São João e campanha política principalmente, porque aumenta o número de convites para se apresentar”, contou.

Também como Seu Cabral, Antônio acredita que saber tocar sanfona é um presente, uma propensão inata. “Aprendi sozinho e tentei ensinar aos meus filhos e netos, mas nenhum é sanfoneiro como eu. Até me esforcei, mas parece que os dedos deles não acertam”, explicou.

Veja mais fotos AQUI.
Texto: Oziella Inocêncio
Fotos: Hugo Tabosa, Oziella Inocêncio e Sandrino Dupan