CCBS

CCBS

Centro de Ciências Biológicas e da Saúde

Professores da Universidade Estadual da Paraíba publicam livro sobre dimensão social da Logoterapia

2 de março de 2017

Como resultado do trabalho desenvolvido pelo Núcleo Viktor Frankl de Logoterapia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), os professores Gilvan de Melo Santos e Lorena Bandeira Melo de Sá acabam de publicar o livro “Da teoria à prática: a dimensão social da Logoterapia”. A obra de 292 páginas, publicado pela editora “Ideia”, traz uma coleção de artigos organizados pelos autores no que diz respeito a investigação e à aplicação da abordagem frankliana em projetos sociais. A obra será lançada oficialmente no dia 8 de março, às 9h, no Auditório de Psicologia, no Câmpus de Bodocongó.

Segundo os autores, qualquer estudioso que almeja entender os pressupostos teóricos e visão antropológica da Logoterapia não permite entender que o seu fundador, Viktor Frankl, não tenha visto a dimensão social como parte deste mundo objetivo que mobiliza o espírito a perceber e encontrar o sentido da vida. O que o livro “Da teoria à prática: a dimensão social da Logoterapia” apresenta, segundo eles, é uma abordagem psicológica dinâmica sustentando a ideia de que viver é seguir o percurso de um rio de possibilidades em cada instante da vida, fazendo emergir decisões a partir das evidências dos faróis de sentido, exatamente após ter passado pelas provações existenciais que poderiam inebriar a vista do navegante solitário.

O professor Aureliano Paccíolla, um dos mais renomados logoterapeutas do mundo que já escreveu cerca de 50 artigos científicos e 20 livros sobre o tema, escreveu na apresentação que a obra dos professores da UEPB inspira novas aplicações da Logoterapia no contexto escolar, social e artístico. Ainda no texto de apresentação, ele lembrou que a Logoterapia de Viktor Frankl foi originalmente aplicada no contexto social.

Conforme Aureliano, “Gilvan Melo e Lorena Bandeira, através deste livro, têm o mérito de contribuir para expandir as possibilidades de Aplicação da Logoterapia e a Análise Existencial. A esperança é que depois desse livro instituições de ensino e centros de estudos possam melhorar a formação de jovens profissionais mergulhados não só em uma perspectiva individual, mas também sócio relacional”.

Gilvan Melo é psicólogo clínico, com formação em Logoterapia e Análise Existencial (UEPB), Bacharel em Arte e Mídia (UFCG), Mestre em Educação e Doutor em Linguística (UFPB), com estágio na Université Paris Ouest Nanterre La Défense. Líder do grupo de pesquisa em saúde mental Déjà Vu: Artes, Sonhos e Imagens; Coordenador do Núcleo Viktor Frankl de Logoterapia da UEPB. Também é colaborador do Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade (UEPB).

Lorena Bandeira é graduada em Psicologia, com formação em Logoterapia e Análise Existencial (UEPB); Mestre em Ciências das Religiões (UFPB); professora substituta da Universidade Estadual da Paraíba; vice- coordenadora do Núcleo Viktor Frankl de Logoterapia da UEPB; assistente editorial da Revista Logos e Existência; e integrante dos grupos de pesquisa Déjà Vu: Artes, Sonhos e Imagens da UEPB e Nous: Espiritualidade e Sentido, da UFPB.

Texto: Severino Lopes

 

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

PROGRAD divulga resultado de seleção para ingresso de graduado no Bacharelado em Educação Física

Array ( [post_title] => PROGRAD divulga resultado de seleção para ingresso de graduado no Bacharelado em Educação Física [post_content] =>

A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), divulgou nesta sexta-feira (18) o resultado da seleção para ingresso de licenciados no Bacharelado em Educação Física da Instituição nos períodos 2017.1 e 2017/2.

Segundo a Pró-Reitoria, o dia 21 será reservado para as matrículas dos aprovados no período 2017.1 e pré-matrícula dos aprovados no período 2017/2. Confira a relação dos aprovados clicando AQUI.

Edital completo AQUI.

Outras informações: (83) 3315-3350.

[post_excerpt] => A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), divulgou nesta sexta-feira (18) o resultado da seleção para ingresso de licenciados no Bacharelado em Educação Física da Instituição nos períodos 2017.1 e 2017/2. Segundo a Pró-Reitoria, o dia 21 será reservado para as matrículas dos aprovados no período 2017.1 e pré-matrícula dos aprovados no Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-08-18 18:02:55 [post_date] => 2017-08-18 18:02:55 [post_modified_gmt] => 2017-08-18 18:02:55 [post_modified] => 2017-08-18 18:02:55 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34607 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => d80664f4a2c3feb8afcbeb09b6205a7a [1] => de63cf39205449f07d45fdef23288b98 ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 9 [3] => 10 [4] => 28 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

No image matches

Array ( )

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => d80664f4a2c3feb8afcbeb09b6205a7a [1] => de63cf39205449f07d45fdef23288b98 ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :PROGRAD divulga resultado de seleção para ingresso de graduado no Bacharelado em Educação Física

Array ( [post_title] => PROGRAD divulga resultado de seleção para ingresso de graduado no Bacharelado em Educação Física [post_content] =>

A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), divulgou nesta sexta-feira (18) o resultado da seleção para ingresso de licenciados no Bacharelado em Educação Física da Instituição nos períodos 2017.1 e 2017/2.

Segundo a Pró-Reitoria, o dia 21 será reservado para as matrículas dos aprovados no período 2017.1 e pré-matrícula dos aprovados no período 2017/2. Confira a relação dos aprovados clicando AQUI.

Edital completo AQUI.

Outras informações: (83) 3315-3350.

[post_excerpt] => A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), divulgou nesta sexta-feira (18) o resultado da seleção para ingresso de licenciados no Bacharelado em Educação Física da Instituição nos períodos 2017.1 e 2017/2. Segundo a Pró-Reitoria, o dia 21 será reservado para as matrículas dos aprovados no período 2017.1 e pré-matrícula dos aprovados no Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-08-18 18:02:55 [post_date] => 2017-08-18 18:02:55 [post_modified_gmt] => 2017-08-18 18:02:55 [post_modified] => 2017-08-18 18:02:55 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34607 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => d80664f4a2c3feb8afcbeb09b6205a7a [1] => de63cf39205449f07d45fdef23288b98 ) [faf_process_image] => ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 9 [3] => 10 [4] => 28 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => prograd-divulga-resultado-de-selecao-para-ingresso-de-graduado-no-bacharelado-em-educacao-fisica )

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

Array ( [post_title] => Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação [post_content] =>

O agricultor Geraldo Faustino, de 68 anos, estava na roça, no Sítio Logradouro, zona rural de Campina Grande, quando foi picado por uma jararaca, cobra do gênero bothrops. O agricultor foi socorrido e levado direto para o Centro de Informação e Assistência Toxicológicas (Ceatox) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que funciona dentro do Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande. “Eu estava limpando mato e só senti a picada”, disse o agricultor, sob olhares de três alunos plantonistas do programa.

Ele recebeu toda a assistência, a medicação adequada e está prestes a receber alta médica. Geraldo Faustino é apenas um dos milhares de pacientes atendidos por ano pelo Ceatox. Criado há 13 anos como projeto de extensão do Departamento de Farmácia da Universidade Estadual, o Ceatox é referência na saúde na região e atende anualmente mais de 2.500 pacientes de Campina Grande e dos 223 municípios da Paraíba, além de Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Desde que foi fundado, o Ceatox já atendeu mais de 32.500 pacientes vítimas de exposições tóxicas em humanos provocadas por animais peçonhentos e não peçonhentos, medicamentos, agrotóxicos, drogas de abuso e domissanitários. E as estatísticas não param de subir, porque na esteira da expansão do mercado farmacêutico, o número de pessoas intoxicadas por medicamentos e picadas de cobras e escorpiões cresce a cada dia. Nessa época do ano, aumenta o número de pessoas que são picadas por esses animais peçonhentos. Tudo porque é no período de inverno que os animais saem das tocas para se esquentar nas casas. De maio a julho, chegaram no Ceatox 58 casos de pessoas picadas por cobras e 469 por escorpiões.

O Ceatox faz parte de uma rede de centros criada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Hoje essa rede é formada por 35 centros espalhados por todo o Brasil, dos quais dois estão na Paraíba (em Campina Grande, no Hospital de Emergência e Trauma, e em João Pessoa, no Hospital Laureano Wanderley). Em Campina, o Centro atende pessoas atacadas por animais peçonhentos como serpentes, aranhas, escorpião, lagarta, entre outros, além de vítimas de intoxicação por produtos químicos, medicamentos, alimentos, domissanitários e agrotóxicos, entre outras substâncias químicas.

Funciona com extensionistas do Programa de Bolsas de Extensão da UEPB e com três farmacêuticos, sendo um da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e dois da UEPB, Sayonara Lia Fook que coordena o serviço, e Nícia Stellita Da Cruz Soares, que é chefe do Departamento de Farmácia, além da médica Denise Nóbrega Pires, também do curso de Farmácia da Instituição.

O atendimento dos pacientes é feito por toda uma equipe clínica do hospital, formada por médicos e enfermeiros, sendo que o acompanhamento dos pacientes é uma tarefa dos estudantes bolsistas dos cursos de Farmácia, Enfermagem e Biologia. Antes, apenas estudantes de universidades públicas como a UEPB e a UFCG, podiam concorrer ao processo seletivo para atuar no Centro, mas nos últimos meses esse serviço foi aberto para estudantes de outras faculdades particulares, a exemplo da Maurício de Nassau e Unifacisa.

A seleção é feita no meio do ano e chega a durar até três meses. Geralmente no mês de junho acontece um curso preparatório, no qual os estudantes passam uma semana dentro do Hospital de Trauma assistindo aulas práticas com a equipe do Ceatox e vendo a realidade do ambiente hospitalar. “Esse é um requisito para fazer a prova escrita. Quem passar na prova começa a fazer um treinamento, que é o curso presencial” explicou a coordenadora. O estágio dura de seis meses a um ano. Atualmente, 20 estudantes bolsistas atuam como plantonistas do Ceatox, dos quais dez são da UEPB. Além disso, o programa conta com três enfermeiras mestrandas do Programa em Saúde Pública da Universidade Estadual.

Alusca Thaís de Sousa, por exemplo, é aluna do 9º período da Faculdade Maurício de Nassau e mestranda da UEPB. Para ela, trabalhar no Ceatox, dentro de uma estrutura hospitalar, tem sido uma experiência gratificante, pois lhe permite colocar em prática os ensinamentos de sala de aula. Valter Inácio de Lima e Anderson Melo também são estudantes de Farmácia da Nassau e encontraram no Centro a oportunidade para praticar os conhecimentos científicos. Os três visitam as enfermarias, acompanham os pacientes e ajudam na recuperação médica.

O Ceatox funciona como unidade de atendimento assistencial e de vigilância. Isso porque, após assistir os pacientes, o Centro faz a notificação do caso junto ao Sistema Nacional de Agrave de Notificação (SINAN). Os pacientes assistidos pela equipe do Ceatox podem ficar internados ou apenas serem medicados e liberados em seguida, dependendo da gravidade do caso (leve, moderado ou grave). Nos casos graves, o paciente fica no hospital para tomar o soro, fazer os exames e ter todo o acompanhamento necessário.

Picadas de escorpião e cobras lideram ocorrências

Embora os casos de picada de escorpiões e de cobras aumentem no período o inverno, esse tipo de animal ataca o ano inteiro, conforme destacou Sayonara. Em média, a equipe de Ceatox chega atender até três casos por dia. Por mês, esse número pode extrapolar os 60 atendimentos. A maioria das pessoas atacadas por cobras é de agricultores que trabalham na roça.

Os casos de intoxicação também cresceram de forma assustadora, aumentando o trabalho da equipe. Em cinco anos, o número de pessoas vítimas de intoxicação por medicamentos cresceu em 79,8% em Campina Grande. Em média, 800 pessoas são atendidas por ano apresentando quadro de intoxicação.

Ao contrário do que muitos podem pensar, nem sempre todos os casos de intoxicação atendidao no Ceatox são causados por acidentes ou exposição de agricultores a produtos químicos. Nos últimos meses, cresceu significativamente a quantidade de pessoas que chegaram intoxicadas ao Centro após tentativa de suicídio. Segundo Syonara, mais de 90% dos casos são tentativas de suicídio. A extensionista de Farmácia, Alusca Thaís, revela que as maiores vítimas são mulheres, principalmente jovens entre 17 a 23 anos.

Cuidados para evitar acidentes com animais peçonhentos

As dicas do Ceatox para as pessoas evitarem os acidentes com animais peçonhentos variam de acordo com cada caso e tipo de animal. No caso dos escorpiões, o segredo é combater as baratas, principal alimento deles. A picada do escorpião pode levar a óbito como aconteceu com dois casos registrados em Campina Grande nos últimos 10 anos. Quem guarda entulho de construção em casa ou material reciclável também tem mais chance de ser picado, além de pessoas que moram em casa sem laje no teto. Nesses casos, a dica é observar sempre as telhas da casa e passar uma vassoura.

Outra orientação é sempre para sempre que a pessoa for dormir verificar o travesseiro e o lençol. Também é aconselhável olhar os sapatos e a roupa que vai vestir, para ver se não tem um escorpião escondido. O maior cuidado, no entanto, é manter a casa limpa. Segundo a professora, o escorpião gosta tanto do tempo frio como do calor e se adapta bem em qualquer clima.

Não sendo possível evitar a picada, a orientação é para que não se aperte a área afetada, nem colocar gelo. O correto é lavar o local com água e sabão para evitar contaminação, elevar o membro e seguir imediatamente para o hospital. Se possível, os profissionais pedem que se leve também o animal que picou, vivo ou morto, pois fica mais fácil para o médico fazer a identificação e indicar o remédio para ser aplicado. Para as pessoas que têm quintal grande ou moram em sítios a dica é criar galinhas.

As pessoas atacadas por animais peçonhentos não devem praticar nenhum tipo de “simpatia”, como colocar borra de café, alho ou fazer incisões no membro, uma vez que para nenhuma dessas simpatias existe a comprovação científica. Os animais peçonhentos que chegam ao Ceatox são levados para Laboratório de Toxinas e Animais Peçonhentos (Labtox), criado dentro da estrutura do Departamento de Farmácia da UEPB e que funcionada no Hospital de Emergência e Trauma. Nesse laboratório, dois alunos extensionistas de Biologia fazem a identificação do animal. O soro antiofídico e o soro anti escorpião são produzidos por quatro laboratórios credenciados no Brasil: o Butantan, o Instituto de Pesquisa do Paraná, o Vital Brasil e o Ezequiel Dias. Toda a produção é comprada pelo governo e distribuída com os Ceatox.

O Ceatox também desaconselha a automedicação, que pode causar um quadro grave de intoxicação, além de mascarar sintomas de uma doença. Apesar da orientação, este tipo de problema tem sido recorrente. As principais vítimas são mulheres que tomam algum tipo de chá para abortar. O uso de medicamentos é a segunda maior causa de intoxicação verificada pelo Centro de Informação e Assistência Toxicológicas.

A professora Sayonara Lia Fook ressalta que a automedicação ainda é o grande problema nos casos de pacientes com intoxicação causada por plantas. Segundo ela, engana-se quem acredita que tratamentos com plantas não oferecem riscos por serem naturais. Segundo Sayonara, o risco não está somente no uso da planta medicinal, mas principalmente na quantidade que é utilizada. “Os medicamentos sempre causarão reações boas ou ruins no corpo. Por isso é preciso uma regulagem das quantidades utilizadas. Por esta razão, para alguns casos são utilizados medicamentos de farmácias de manipulação, para que o mesmo tenha os componentes na medida certa para cada caso”, explicou.

O Ceatox – CG funciona em plantões ininterruptos por 24 horas, em todos os dias do ano. “O tripé da Universidade – que é o ensino, a pesquisa e a extensão – funciona muito bem no Ceatox e, no ensino, nós também temos um projeto junto com uma multinacional que tem como objetivo capacitar a atenção básica para atender as intoxicações e os acidentes por animais peçonhentos”, destaca professora Sayonara.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Giuliana Rodrigues

[post_excerpt] => O agricultor Geraldo Faustino, de 68 anos, estava na roça, no Sítio Logradouro, zona rural de Campina Grande, quando foi picado por uma jararaca, cobra do gênero bothrops. O agricultor foi socorrido e levado direto para o Centro de Informação e Assistência Toxicológicas (Ceatox) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que funciona dentro do Hospital Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-08-16 13:27:15 [post_date] => 2017-08-16 13:27:15 [post_modified_gmt] => 2017-08-16 13:27:15 [post_modified] => 2017-08-16 13:27:15 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34539 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 03075fd3a6ac761c44cf09233a81a887 [1] => 0ca815c76618cbe60a3be085bf578bc7 ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 13 [3] => 14 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => trabalho-do-ceatox-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

Local save:http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/CEATOX-3.jpg

Image process :: Saving local image

grab remote location : http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/CEATOX-3.jpg

Image exists, checking for same file size

Replacing images : - ON

O agricultor Geraldo Faustino, de 68 anos, estava na roça, no Sítio Logradouro, zona rural de Campina Grande, quando foi picado por uma jararaca, cobra do gênero bothrops. O agricultor foi socorrido e levado direto para o Centro de Informação e Assistência Toxicológicas (Ceatox) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que funciona dentro do Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande. “Eu estava limpando mato e só senti a picada”, disse o agricultor, sob olhares de três alunos plantonistas do programa.

Ele recebeu toda a assistência, a medicação adequada e está prestes a receber alta médica. Geraldo Faustino é apenas um dos milhares de pacientes atendidos por ano pelo Ceatox. Criado há 13 anos como projeto de extensão do Departamento de Farmácia da Universidade Estadual, o Ceatox é referência na saúde na região e atende anualmente mais de 2.500 pacientes de Campina Grande e dos 223 municípios da Paraíba, além de Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Desde que foi fundado, o Ceatox já atendeu mais de 32.500 pacientes vítimas de exposições tóxicas em humanos provocadas por animais peçonhentos e não peçonhentos, medicamentos, agrotóxicos, drogas de abuso e domissanitários. E as estatísticas não param de subir, porque na esteira da expansão do mercado farmacêutico, o número de pessoas intoxicadas por medicamentos e picadas de cobras e escorpiões cresce a cada dia. Nessa época do ano, aumenta o número de pessoas que são picadas por esses animais peçonhentos. Tudo porque é no período de inverno que os animais saem das tocas para se esquentar nas casas. De maio a julho, chegaram no Ceatox 58 casos de pessoas picadas por cobras e 469 por escorpiões.

O Ceatox faz parte de uma rede de centros criada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Hoje essa rede é formada por 35 centros espalhados por todo o Brasil, dos quais dois estão na Paraíba (em Campina Grande, no Hospital de Emergência e Trauma, e em João Pessoa, no Hospital Laureano Wanderley). Em Campina, o Centro atende pessoas atacadas por animais peçonhentos como serpentes, aranhas, escorpião, lagarta, entre outros, além de vítimas de intoxicação por produtos químicos, medicamentos, alimentos, domissanitários e agrotóxicos, entre outras substâncias químicas.

Funciona com extensionistas do Programa de Bolsas de Extensão da UEPB e com três farmacêuticos, sendo um da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e dois da UEPB, Sayonara Lia Fook que coordena o serviço, e Nícia Stellita Da Cruz Soares, que é chefe do Departamento de Farmácia, além da médica Denise Nóbrega Pires, também do curso de Farmácia da Instituição.

O atendimento dos pacientes é feito por toda uma equipe clínica do hospital, formada por médicos e enfermeiros, sendo que o acompanhamento dos pacientes é uma tarefa dos estudantes bolsistas dos cursos de Farmácia, Enfermagem e Biologia. Antes, apenas estudantes de universidades públicas como a UEPB e a UFCG, podiam concorrer ao processo seletivo para atuar no Centro, mas nos últimos meses esse serviço foi aberto para estudantes de outras faculdades particulares, a exemplo da Maurício de Nassau e Unifacisa.

A seleção é feita no meio do ano e chega a durar até três meses. Geralmente no mês de junho acontece um curso preparatório, no qual os estudantes passam uma semana dentro do Hospital de Trauma assistindo aulas práticas com a equipe do Ceatox e vendo a realidade do ambiente hospitalar. “Esse é um requisito para fazer a prova escrita. Quem passar na prova começa a fazer um treinamento, que é o curso presencial” explicou a coordenadora. O estágio dura de seis meses a um ano. Atualmente, 20 estudantes bolsistas atuam como plantonistas do Ceatox, dos quais dez são da UEPB. Além disso, o programa conta com três enfermeiras mestrandas do Programa em Saúde Pública da Universidade Estadual.

Alusca Thaís de Sousa, por exemplo, é aluna do 9º período da Faculdade Maurício de Nassau e mestranda da UEPB. Para ela, trabalhar no Ceatox, dentro de uma estrutura hospitalar, tem sido uma experiência gratificante, pois lhe permite colocar em prática os ensinamentos de sala de aula. Valter Inácio de Lima e Anderson Melo também são estudantes de Farmácia da Nassau e encontraram no Centro a oportunidade para praticar os conhecimentos científicos. Os três visitam as enfermarias, acompanham os pacientes e ajudam na recuperação médica.

O Ceatox funciona como unidade de atendimento assistencial e de vigilância. Isso porque, após assistir os pacientes, o Centro faz a notificação do caso junto ao Sistema Nacional de Agrave de Notificação (SINAN). Os pacientes assistidos pela equipe do Ceatox podem ficar internados ou apenas serem medicados e liberados em seguida, dependendo da gravidade do caso (leve, moderado ou grave). Nos casos graves, o paciente fica no hospital para tomar o soro, fazer os exames e ter todo o acompanhamento necessário.

Picadas de escorpião e cobras lideram ocorrências

Embora os casos de picada de escorpiões e de cobras aumentem no período o inverno, esse tipo de animal ataca o ano inteiro, conforme destacou Sayonara. Em média, a equipe de Ceatox chega atender até três casos por dia. Por mês, esse número pode extrapolar os 60 atendimentos. A maioria das pessoas atacadas por cobras é de agricultores que trabalham na roça.

Os casos de intoxicação também cresceram de forma assustadora, aumentando o trabalho da equipe. Em cinco anos, o número de pessoas vítimas de intoxicação por medicamentos cresceu em 79,8% em Campina Grande. Em média, 800 pessoas são atendidas por ano apresentando quadro de intoxicação.

Ao contrário do que muitos podem pensar, nem sempre todos os casos de intoxicação atendidao no Ceatox são causados por acidentes ou exposição de agricultores a produtos químicos. Nos últimos meses, cresceu significativamente a quantidade de pessoas que chegaram intoxicadas ao Centro após tentativa de suicídio. Segundo Syonara, mais de 90% dos casos são tentativas de suicídio. A extensionista de Farmácia, Alusca Thaís, revela que as maiores vítimas são mulheres, principalmente jovens entre 17 a 23 anos.

Cuidados para evitar acidentes com animais peçonhentos

As dicas do Ceatox para as pessoas evitarem os acidentes com animais peçonhentos variam de acordo com cada caso e tipo de animal. No caso dos escorpiões, o segredo é combater as baratas, principal alimento deles. A picada do escorpião pode levar a óbito como aconteceu com dois casos registrados em Campina Grande nos últimos 10 anos. Quem guarda entulho de construção em casa ou material reciclável também tem mais chance de ser picado, além de pessoas que moram em casa sem laje no teto. Nesses casos, a dica é observar sempre as telhas da casa e passar uma vassoura.

Outra orientação é sempre para sempre que a pessoa for dormir verificar o travesseiro e o lençol. Também é aconselhável olhar os sapatos e a roupa que vai vestir, para ver se não tem um escorpião escondido. O maior cuidado, no entanto, é manter a casa limpa. Segundo a professora, o escorpião gosta tanto do tempo frio como do calor e se adapta bem em qualquer clima.

Não sendo possível evitar a picada, a orientação é para que não se aperte a área afetada, nem colocar gelo. O correto é lavar o local com água e sabão para evitar contaminação, elevar o membro e seguir imediatamente para o hospital. Se possível, os profissionais pedem que se leve também o animal que picou, vivo ou morto, pois fica mais fácil para o médico fazer a identificação e indicar o remédio para ser aplicado. Para as pessoas que têm quintal grande ou moram em sítios a dica é criar galinhas.

As pessoas atacadas por animais peçonhentos não devem praticar nenhum tipo de “simpatia”, como colocar borra de café, alho ou fazer incisões no membro, uma vez que para nenhuma dessas simpatias existe a comprovação científica. Os animais peçonhentos que chegam ao Ceatox são levados para Laboratório de Toxinas e Animais Peçonhentos (Labtox), criado dentro da estrutura do Departamento de Farmácia da UEPB e que funcionada no Hospital de Emergência e Trauma. Nesse laboratório, dois alunos extensionistas de Biologia fazem a identificação do animal. O soro antiofídico e o soro anti escorpião são produzidos por quatro laboratórios credenciados no Brasil: o Butantan, o Instituto de Pesquisa do Paraná, o Vital Brasil e o Ezequiel Dias. Toda a produção é comprada pelo governo e distribuída com os Ceatox.

O Ceatox também desaconselha a automedicação, que pode causar um quadro grave de intoxicação, além de mascarar sintomas de uma doença. Apesar da orientação, este tipo de problema tem sido recorrente. As principais vítimas são mulheres que tomam algum tipo de chá para abortar. O uso de medicamentos é a segunda maior causa de intoxicação verificada pelo Centro de Informação e Assistência Toxicológicas.

A professora Sayonara Lia Fook ressalta que a automedicação ainda é o grande problema nos casos de pacientes com intoxicação causada por plantas. Segundo ela, engana-se quem acredita que tratamentos com plantas não oferecem riscos por serem naturais. Segundo Sayonara, o risco não está somente no uso da planta medicinal, mas principalmente na quantidade que é utilizada. “Os medicamentos sempre causarão reações boas ou ruins no corpo. Por isso é preciso uma regulagem das quantidades utilizadas. Por esta razão, para alguns casos são utilizados medicamentos de farmácias de manipulação, para que o mesmo tenha os componentes na medida certa para cada caso”, explicou.

O Ceatox – CG funciona em plantões ininterruptos por 24 horas, em todos os dias do ano. “O tripé da Universidade – que é o ensino, a pesquisa e a extensão – funciona muito bem no Ceatox e, no ensino, nós também temos um projeto junto com uma multinacional que tem como objetivo capacitar a atenção básica para atender as intoxicações e os acidentes por animais peçonhentos”, destaca professora Sayonara.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Giuliana Rodrigues

Local save:http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/Sayonara-CEATOX.jpg

Image process :: Saving local image

grab remote location : http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/Sayonara-CEATOX.jpg

Image exists, checking for same file size

Replacing images : - ON

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

O agricultor Geraldo Faustino, de 68 anos, estava na roça, no Sítio Logradouro, zona rural de Campina Grande, quando foi picado por uma jararaca, cobra do gênero bothrops. O agricultor foi socorrido e levado direto para o Centro de Informação e Assistência Toxicológicas (Ceatox) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que funciona dentro do Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande. “Eu estava limpando mato e só senti a picada”, disse o agricultor, sob olhares de três alunos plantonistas do programa.

Ele recebeu toda a assistência, a medicação adequada e está prestes a receber alta médica. Geraldo Faustino é apenas um dos milhares de pacientes atendidos por ano pelo Ceatox. Criado há 13 anos como projeto de extensão do Departamento de Farmácia da Universidade Estadual, o Ceatox é referência na saúde na região e atende anualmente mais de 2.500 pacientes de Campina Grande e dos 223 municípios da Paraíba, além de Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Desde que foi fundado, o Ceatox já atendeu mais de 32.500 pacientes vítimas de exposições tóxicas em humanos provocadas por animais peçonhentos e não peçonhentos, medicamentos, agrotóxicos, drogas de abuso e domissanitários. E as estatísticas não param de subir, porque na esteira da expansão do mercado farmacêutico, o número de pessoas intoxicadas por medicamentos e picadas de cobras e escorpiões cresce a cada dia. Nessa época do ano, aumenta o número de pessoas que são picadas por esses animais peçonhentos. Tudo porque é no período de inverno que os animais saem das tocas para se esquentar nas casas. De maio a julho, chegaram no Ceatox 58 casos de pessoas picadas por cobras e 469 por escorpiões.

O Ceatox faz parte de uma rede de centros criada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Hoje essa rede é formada por 35 centros espalhados por todo o Brasil, dos quais dois estão na Paraíba (em Campina Grande, no Hospital de Emergência e Trauma, e em João Pessoa, no Hospital Laureano Wanderley). Em Campina, o Centro atende pessoas atacadas por animais peçonhentos como serpentes, aranhas, escorpião, lagarta, entre outros, além de vítimas de intoxicação por produtos químicos, medicamentos, alimentos, domissanitários e agrotóxicos, entre outras substâncias químicas.

Funciona com extensionistas do Programa de Bolsas de Extensão da UEPB e com três farmacêuticos, sendo um da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e dois da UEPB, Sayonara Lia Fook que coordena o serviço, e Nícia Stellita Da Cruz Soares, que é chefe do Departamento de Farmácia, além da médica Denise Nóbrega Pires, também do curso de Farmácia da Instituição.

O atendimento dos pacientes é feito por toda uma equipe clínica do hospital, formada por médicos e enfermeiros, sendo que o acompanhamento dos pacientes é uma tarefa dos estudantes bolsistas dos cursos de Farmácia, Enfermagem e Biologia. Antes, apenas estudantes de universidades públicas como a UEPB e a UFCG, podiam concorrer ao processo seletivo para atuar no Centro, mas nos últimos meses esse serviço foi aberto para estudantes de outras faculdades particulares, a exemplo da Maurício de Nassau e Unifacisa.

A seleção é feita no meio do ano e chega a durar até três meses. Geralmente no mês de junho acontece um curso preparatório, no qual os estudantes passam uma semana dentro do Hospital de Trauma assistindo aulas práticas com a equipe do Ceatox e vendo a realidade do ambiente hospitalar. “Esse é um requisito para fazer a prova escrita. Quem passar na prova começa a fazer um treinamento, que é o curso presencial” explicou a coordenadora. O estágio dura de seis meses a um ano. Atualmente, 20 estudantes bolsistas atuam como plantonistas do Ceatox, dos quais dez são da UEPB. Além disso, o programa conta com três enfermeiras mestrandas do Programa em Saúde Pública da Universidade Estadual.

Alusca Thaís de Sousa, por exemplo, é aluna do 9º período da Faculdade Maurício de Nassau e mestranda da UEPB. Para ela, trabalhar no Ceatox, dentro de uma estrutura hospitalar, tem sido uma experiência gratificante, pois lhe permite colocar em prática os ensinamentos de sala de aula. Valter Inácio de Lima e Anderson Melo também são estudantes de Farmácia da Nassau e encontraram no Centro a oportunidade para praticar os conhecimentos científicos. Os três visitam as enfermarias, acompanham os pacientes e ajudam na recuperação médica.

O Ceatox funciona como unidade de atendimento assistencial e de vigilância. Isso porque, após assistir os pacientes, o Centro faz a notificação do caso junto ao Sistema Nacional de Agrave de Notificação (SINAN). Os pacientes assistidos pela equipe do Ceatox podem ficar internados ou apenas serem medicados e liberados em seguida, dependendo da gravidade do caso (leve, moderado ou grave). Nos casos graves, o paciente fica no hospital para tomar o soro, fazer os exames e ter todo o acompanhamento necessário.

Picadas de escorpião e cobras lideram ocorrências

Embora os casos de picada de escorpiões e de cobras aumentem no período o inverno, esse tipo de animal ataca o ano inteiro, conforme destacou Sayonara. Em média, a equipe de Ceatox chega atender até três casos por dia. Por mês, esse número pode extrapolar os 60 atendimentos. A maioria das pessoas atacadas por cobras é de agricultores que trabalham na roça.

Os casos de intoxicação também cresceram de forma assustadora, aumentando o trabalho da equipe. Em cinco anos, o número de pessoas vítimas de intoxicação por medicamentos cresceu em 79,8% em Campina Grande. Em média, 800 pessoas são atendidas por ano apresentando quadro de intoxicação.

Ao contrário do que muitos podem pensar, nem sempre todos os casos de intoxicação atendidao no Ceatox são causados por acidentes ou exposição de agricultores a produtos químicos. Nos últimos meses, cresceu significativamente a quantidade de pessoas que chegaram intoxicadas ao Centro após tentativa de suicídio. Segundo Syonara, mais de 90% dos casos são tentativas de suicídio. A extensionista de Farmácia, Alusca Thaís, revela que as maiores vítimas são mulheres, principalmente jovens entre 17 a 23 anos.

Cuidados para evitar acidentes com animais peçonhentos

As dicas do Ceatox para as pessoas evitarem os acidentes com animais peçonhentos variam de acordo com cada caso e tipo de animal. No caso dos escorpiões, o segredo é combater as baratas, principal alimento deles. A picada do escorpião pode levar a óbito como aconteceu com dois casos registrados em Campina Grande nos últimos 10 anos. Quem guarda entulho de construção em casa ou material reciclável também tem mais chance de ser picado, além de pessoas que moram em casa sem laje no teto. Nesses casos, a dica é observar sempre as telhas da casa e passar uma vassoura.

Outra orientação é sempre para sempre que a pessoa for dormir verificar o travesseiro e o lençol. Também é aconselhável olhar os sapatos e a roupa que vai vestir, para ver se não tem um escorpião escondido. O maior cuidado, no entanto, é manter a casa limpa. Segundo a professora, o escorpião gosta tanto do tempo frio como do calor e se adapta bem em qualquer clima.

Não sendo possível evitar a picada, a orientação é para que não se aperte a área afetada, nem colocar gelo. O correto é lavar o local com água e sabão para evitar contaminação, elevar o membro e seguir imediatamente para o hospital. Se possível, os profissionais pedem que se leve também o animal que picou, vivo ou morto, pois fica mais fácil para o médico fazer a identificação e indicar o remédio para ser aplicado. Para as pessoas que têm quintal grande ou moram em sítios a dica é criar galinhas.

As pessoas atacadas por animais peçonhentos não devem praticar nenhum tipo de “simpatia”, como colocar borra de café, alho ou fazer incisões no membro, uma vez que para nenhuma dessas simpatias existe a comprovação científica. Os animais peçonhentos que chegam ao Ceatox são levados para Laboratório de Toxinas e Animais Peçonhentos (Labtox), criado dentro da estrutura do Departamento de Farmácia da UEPB e que funcionada no Hospital de Emergência e Trauma. Nesse laboratório, dois alunos extensionistas de Biologia fazem a identificação do animal. O soro antiofídico e o soro anti escorpião são produzidos por quatro laboratórios credenciados no Brasil: o Butantan, o Instituto de Pesquisa do Paraná, o Vital Brasil e o Ezequiel Dias. Toda a produção é comprada pelo governo e distribuída com os Ceatox.

O Ceatox também desaconselha a automedicação, que pode causar um quadro grave de intoxicação, além de mascarar sintomas de uma doença. Apesar da orientação, este tipo de problema tem sido recorrente. As principais vítimas são mulheres que tomam algum tipo de chá para abortar. O uso de medicamentos é a segunda maior causa de intoxicação verificada pelo Centro de Informação e Assistência Toxicológicas.

A professora Sayonara Lia Fook ressalta que a automedicação ainda é o grande problema nos casos de pacientes com intoxicação causada por plantas. Segundo ela, engana-se quem acredita que tratamentos com plantas não oferecem riscos por serem naturais. Segundo Sayonara, o risco não está somente no uso da planta medicinal, mas principalmente na quantidade que é utilizada. “Os medicamentos sempre causarão reações boas ou ruins no corpo. Por isso é preciso uma regulagem das quantidades utilizadas. Por esta razão, para alguns casos são utilizados medicamentos de farmácias de manipulação, para que o mesmo tenha os componentes na medida certa para cada caso”, explicou.

O Ceatox – CG funciona em plantões ininterruptos por 24 horas, em todos os dias do ano. “O tripé da Universidade – que é o ensino, a pesquisa e a extensão – funciona muito bem no Ceatox e, no ensino, nós também temos um projeto junto com uma multinacional que tem como objetivo capacitar a atenção básica para atender as intoxicações e os acidentes por animais peçonhentos”, destaca professora Sayonara.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Giuliana Rodrigues

Local save:http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/CEATOX-4.jpg

Image process :: Saving local image

grab remote location : http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/CEATOX-4.jpg

Image exists, checking for same file size

Replacing images : - ON

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

O agricultor Geraldo Faustino, de 68 anos, estava na roça, no Sítio Logradouro, zona rural de Campina Grande, quando foi picado por uma jararaca, cobra do gênero bothrops. O agricultor foi socorrido e levado direto para o Centro de Informação e Assistência Toxicológicas (Ceatox) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que funciona dentro do Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande. “Eu estava limpando mato e só senti a picada”, disse o agricultor, sob olhares de três alunos plantonistas do programa.

Ele recebeu toda a assistência, a medicação adequada e está prestes a receber alta médica. Geraldo Faustino é apenas um dos milhares de pacientes atendidos por ano pelo Ceatox. Criado há 13 anos como projeto de extensão do Departamento de Farmácia da Universidade Estadual, o Ceatox é referência na saúde na região e atende anualmente mais de 2.500 pacientes de Campina Grande e dos 223 municípios da Paraíba, além de Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Desde que foi fundado, o Ceatox já atendeu mais de 32.500 pacientes vítimas de exposições tóxicas em humanos provocadas por animais peçonhentos e não peçonhentos, medicamentos, agrotóxicos, drogas de abuso e domissanitários. E as estatísticas não param de subir, porque na esteira da expansão do mercado farmacêutico, o número de pessoas intoxicadas por medicamentos e picadas de cobras e escorpiões cresce a cada dia. Nessa época do ano, aumenta o número de pessoas que são picadas por esses animais peçonhentos. Tudo porque é no período de inverno que os animais saem das tocas para se esquentar nas casas. De maio a julho, chegaram no Ceatox 58 casos de pessoas picadas por cobras e 469 por escorpiões.

O Ceatox faz parte de uma rede de centros criada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Hoje essa rede é formada por 35 centros espalhados por todo o Brasil, dos quais dois estão na Paraíba (em Campina Grande, no Hospital de Emergência e Trauma, e em João Pessoa, no Hospital Laureano Wanderley). Em Campina, o Centro atende pessoas atacadas por animais peçonhentos como serpentes, aranhas, escorpião, lagarta, entre outros, além de vítimas de intoxicação por produtos químicos, medicamentos, alimentos, domissanitários e agrotóxicos, entre outras substâncias químicas.

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

Funciona com extensionistas do Programa de Bolsas de Extensão da UEPB e com três farmacêuticos, sendo um da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e dois da UEPB, Sayonara Lia Fook que coordena o serviço, e Nícia Stellita Da Cruz Soares, que é chefe do Departamento de Farmácia, além da médica Denise Nóbrega Pires, também do curso de Farmácia da Instituição.

O atendimento dos pacientes é feito por toda uma equipe clínica do hospital, formada por médicos e enfermeiros, sendo que o acompanhamento dos pacientes é uma tarefa dos estudantes bolsistas dos cursos de Farmácia, Enfermagem e Biologia. Antes, apenas estudantes de universidades públicas como a UEPB e a UFCG, podiam concorrer ao processo seletivo para atuar no Centro, mas nos últimos meses esse serviço foi aberto para estudantes de outras faculdades particulares, a exemplo da Maurício de Nassau e Unifacisa.

A seleção é feita no meio do ano e chega a durar até três meses. Geralmente no mês de junho acontece um curso preparatório, no qual os estudantes passam uma semana dentro do Hospital de Trauma assistindo aulas práticas com a equipe do Ceatox e vendo a realidade do ambiente hospitalar. “Esse é um requisito para fazer a prova escrita. Quem passar na prova começa a fazer um treinamento, que é o curso presencial” explicou a coordenadora. O estágio dura de seis meses a um ano. Atualmente, 20 estudantes bolsistas atuam como plantonistas do Ceatox, dos quais dez são da UEPB. Além disso, o programa conta com três enfermeiras mestrandas do Programa em Saúde Pública da Universidade Estadual.

Alusca Thaís de Sousa, por exemplo, é aluna do 9º período da Faculdade Maurício de Nassau e mestranda da UEPB. Para ela, trabalhar no Ceatox, dentro de uma estrutura hospitalar, tem sido uma experiência gratificante, pois lhe permite colocar em prática os ensinamentos de sala de aula. Valter Inácio de Lima e Anderson Melo também são estudantes de Farmácia da Nassau e encontraram no Centro a oportunidade para praticar os conhecimentos científicos. Os três visitam as enfermarias, acompanham os pacientes e ajudam na recuperação médica.

O Ceatox funciona como unidade de atendimento assistencial e de vigilância. Isso porque, após assistir os pacientes, o Centro faz a notificação do caso junto ao Sistema Nacional de Agrave de Notificação (SINAN). Os pacientes assistidos pela equipe do Ceatox podem ficar internados ou apenas serem medicados e liberados em seguida, dependendo da gravidade do caso (leve, moderado ou grave). Nos casos graves, o paciente fica no hospital para tomar o soro, fazer os exames e ter todo o acompanhamento necessário.

Picadas de escorpião e cobras lideram ocorrências

Embora os casos de picada de escorpiões e de cobras aumentem no período o inverno, esse tipo de animal ataca o ano inteiro, conforme destacou Sayonara. Em média, a equipe de Ceatox chega atender até três casos por dia. Por mês, esse número pode extrapolar os 60 atendimentos. A maioria das pessoas atacadas por cobras é de agricultores que trabalham na roça.

Os casos de intoxicação também cresceram de forma assustadora, aumentando o trabalho da equipe. Em cinco anos, o número de pessoas vítimas de intoxicação por medicamentos cresceu em 79,8% em Campina Grande. Em média, 800 pessoas são atendidas por ano apresentando quadro de intoxicação.

Ao contrário do que muitos podem pensar, nem sempre todos os casos de intoxicação atendidao no Ceatox são causados por acidentes ou exposição de agricultores a produtos químicos. Nos últimos meses, cresceu significativamente a quantidade de pessoas que chegaram intoxicadas ao Centro após tentativa de suicídio. Segundo Syonara, mais de 90% dos casos são tentativas de suicídio. A extensionista de Farmácia, Alusca Thaís, revela que as maiores vítimas são mulheres, principalmente jovens entre 17 a 23 anos.

Cuidados para evitar acidentes com animais peçonhentos

As dicas do Ceatox para as pessoas evitarem os acidentes com animais peçonhentos variam de acordo com cada caso e tipo de animal. No caso dos escorpiões, o segredo é combater as baratas, principal alimento deles. A picada do escorpião pode levar a óbito como aconteceu com dois casos registrados em Campina Grande nos últimos 10 anos. Quem guarda entulho de construção em casa ou material reciclável também tem mais chance de ser picado, além de pessoas que moram em casa sem laje no teto. Nesses casos, a dica é observar sempre as telhas da casa e passar uma vassoura.

Outra orientação é sempre para sempre que a pessoa for dormir verificar o travesseiro e o lençol. Também é aconselhável olhar os sapatos e a roupa que vai vestir, para ver se não tem um escorpião escondido. O maior cuidado, no entanto, é manter a casa limpa. Segundo a professora, o escorpião gosta tanto do tempo frio como do calor e se adapta bem em qualquer clima.

Não sendo possível evitar a picada, a orientação é para que não se aperte a área afetada, nem colocar gelo. O correto é lavar o local com água e sabão para evitar contaminação, elevar o membro e seguir imediatamente para o hospital. Se possível, os profissionais pedem que se leve também o animal que picou, vivo ou morto, pois fica mais fácil para o médico fazer a identificação e indicar o remédio para ser aplicado. Para as pessoas que têm quintal grande ou moram em sítios a dica é criar galinhas.

As pessoas atacadas por animais peçonhentos não devem praticar nenhum tipo de “simpatia”, como colocar borra de café, alho ou fazer incisões no membro, uma vez que para nenhuma dessas simpatias existe a comprovação científica. Os animais peçonhentos que chegam ao Ceatox são levados para Laboratório de Toxinas e Animais Peçonhentos (Labtox), criado dentro da estrutura do Departamento de Farmácia da UEPB e que funcionada no Hospital de Emergência e Trauma. Nesse laboratório, dois alunos extensionistas de Biologia fazem a identificação do animal. O soro antiofídico e o soro anti escorpião são produzidos por quatro laboratórios credenciados no Brasil: o Butantan, o Instituto de Pesquisa do Paraná, o Vital Brasil e o Ezequiel Dias. Toda a produção é comprada pelo governo e distribuída com os Ceatox.

O Ceatox também desaconselha a automedicação, que pode causar um quadro grave de intoxicação, além de mascarar sintomas de uma doença. Apesar da orientação, este tipo de problema tem sido recorrente. As principais vítimas são mulheres que tomam algum tipo de chá para abortar. O uso de medicamentos é a segunda maior causa de intoxicação verificada pelo Centro de Informação e Assistência Toxicológicas.

A professora Sayonara Lia Fook ressalta que a automedicação ainda é o grande problema nos casos de pacientes com intoxicação causada por plantas. Segundo ela, engana-se quem acredita que tratamentos com plantas não oferecem riscos por serem naturais. Segundo Sayonara, o risco não está somente no uso da planta medicinal, mas principalmente na quantidade que é utilizada. “Os medicamentos sempre causarão reações boas ou ruins no corpo. Por isso é preciso uma regulagem das quantidades utilizadas. Por esta razão, para alguns casos são utilizados medicamentos de farmácias de manipulação, para que o mesmo tenha os componentes na medida certa para cada caso”, explicou.

O Ceatox – CG funciona em plantões ininterruptos por 24 horas, em todos os dias do ano. “O tripé da Universidade – que é o ensino, a pesquisa e a extensão – funciona muito bem no Ceatox e, no ensino, nós também temos um projeto junto com uma multinacional que tem como objetivo capacitar a atenção básica para atender as intoxicações e os acidentes por animais peçonhentos”, destaca professora Sayonara.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Giuliana Rodrigues

Local save:http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/CEATOX-1.jpg

Image process :: Saving local image

grab remote location : http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/CEATOX-1.jpg

Image exists, checking for same file size

Replacing images : - ON

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

O agricultor Geraldo Faustino, de 68 anos, estava na roça, no Sítio Logradouro, zona rural de Campina Grande, quando foi picado por uma jararaca, cobra do gênero bothrops. O agricultor foi socorrido e levado direto para o Centro de Informação e Assistência Toxicológicas (Ceatox) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que funciona dentro do Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande. “Eu estava limpando mato e só senti a picada”, disse o agricultor, sob olhares de três alunos plantonistas do programa.

Ele recebeu toda a assistência, a medicação adequada e está prestes a receber alta médica. Geraldo Faustino é apenas um dos milhares de pacientes atendidos por ano pelo Ceatox. Criado há 13 anos como projeto de extensão do Departamento de Farmácia da Universidade Estadual, o Ceatox é referência na saúde na região e atende anualmente mais de 2.500 pacientes de Campina Grande e dos 223 municípios da Paraíba, além de Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Desde que foi fundado, o Ceatox já atendeu mais de 32.500 pacientes vítimas de exposições tóxicas em humanos provocadas por animais peçonhentos e não peçonhentos, medicamentos, agrotóxicos, drogas de abuso e domissanitários. E as estatísticas não param de subir, porque na esteira da expansão do mercado farmacêutico, o número de pessoas intoxicadas por medicamentos e picadas de cobras e escorpiões cresce a cada dia. Nessa época do ano, aumenta o número de pessoas que são picadas por esses animais peçonhentos. Tudo porque é no período de inverno que os animais saem das tocas para se esquentar nas casas. De maio a julho, chegaram no Ceatox 58 casos de pessoas picadas por cobras e 469 por escorpiões.

O Ceatox faz parte de uma rede de centros criada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Hoje essa rede é formada por 35 centros espalhados por todo o Brasil, dos quais dois estão na Paraíba (em Campina Grande, no Hospital de Emergência e Trauma, e em João Pessoa, no Hospital Laureano Wanderley). Em Campina, o Centro atende pessoas atacadas por animais peçonhentos como serpentes, aranhas, escorpião, lagarta, entre outros, além de vítimas de intoxicação por produtos químicos, medicamentos, alimentos, domissanitários e agrotóxicos, entre outras substâncias químicas.

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

Funciona com extensionistas do Programa de Bolsas de Extensão da UEPB e com três farmacêuticos, sendo um da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e dois da UEPB, Sayonara Lia Fook que coordena o serviço, e Nícia Stellita Da Cruz Soares, que é chefe do Departamento de Farmácia, além da médica Denise Nóbrega Pires, também do curso de Farmácia da Instituição.

O atendimento dos pacientes é feito por toda uma equipe clínica do hospital, formada por médicos e enfermeiros, sendo que o acompanhamento dos pacientes é uma tarefa dos estudantes bolsistas dos cursos de Farmácia, Enfermagem e Biologia. Antes, apenas estudantes de universidades públicas como a UEPB e a UFCG, podiam concorrer ao processo seletivo para atuar no Centro, mas nos últimos meses esse serviço foi aberto para estudantes de outras faculdades particulares, a exemplo da Maurício de Nassau e Unifacisa.

A seleção é feita no meio do ano e chega a durar até três meses. Geralmente no mês de junho acontece um curso preparatório, no qual os estudantes passam uma semana dentro do Hospital de Trauma assistindo aulas práticas com a equipe do Ceatox e vendo a realidade do ambiente hospitalar. “Esse é um requisito para fazer a prova escrita. Quem passar na prova começa a fazer um treinamento, que é o curso presencial” explicou a coordenadora. O estágio dura de seis meses a um ano. Atualmente, 20 estudantes bolsistas atuam como plantonistas do Ceatox, dos quais dez são da UEPB. Além disso, o programa conta com três enfermeiras mestrandas do Programa em Saúde Pública da Universidade Estadual.

Alusca Thaís de Sousa, por exemplo, é aluna do 9º período da Faculdade Maurício de Nassau e mestranda da UEPB. Para ela, trabalhar no Ceatox, dentro de uma estrutura hospitalar, tem sido uma experiência gratificante, pois lhe permite colocar em prática os ensinamentos de sala de aula. Valter Inácio de Lima e Anderson Melo também são estudantes de Farmácia da Nassau e encontraram no Centro a oportunidade para praticar os conhecimentos científicos. Os três visitam as enfermarias, acompanham os pacientes e ajudam na recuperação médica.

O Ceatox funciona como unidade de atendimento assistencial e de vigilância. Isso porque, após assistir os pacientes, o Centro faz a notificação do caso junto ao Sistema Nacional de Agrave de Notificação (SINAN). Os pacientes assistidos pela equipe do Ceatox podem ficar internados ou apenas serem medicados e liberados em seguida, dependendo da gravidade do caso (leve, moderado ou grave). Nos casos graves, o paciente fica no hospital para tomar o soro, fazer os exames e ter todo o acompanhamento necessário.

Picadas de escorpião e cobras lideram ocorrências

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

Embora os casos de picada de escorpiões e de cobras aumentem no período o inverno, esse tipo de animal ataca o ano inteiro, conforme destacou Sayonara. Em média, a equipe de Ceatox chega atender até três casos por dia. Por mês, esse número pode extrapolar os 60 atendimentos. A maioria das pessoas atacadas por cobras é de agricultores que trabalham na roça.

Os casos de intoxicação também cresceram de forma assustadora, aumentando o trabalho da equipe. Em cinco anos, o número de pessoas vítimas de intoxicação por medicamentos cresceu em 79,8% em Campina Grande. Em média, 800 pessoas são atendidas por ano apresentando quadro de intoxicação.

Ao contrário do que muitos podem pensar, nem sempre todos os casos de intoxicação atendidao no Ceatox são causados por acidentes ou exposição de agricultores a produtos químicos. Nos últimos meses, cresceu significativamente a quantidade de pessoas que chegaram intoxicadas ao Centro após tentativa de suicídio. Segundo Syonara, mais de 90% dos casos são tentativas de suicídio. A extensionista de Farmácia, Alusca Thaís, revela que as maiores vítimas são mulheres, principalmente jovens entre 17 a 23 anos.

Cuidados para evitar acidentes com animais peçonhentos

As dicas do Ceatox para as pessoas evitarem os acidentes com animais peçonhentos variam de acordo com cada caso e tipo de animal. No caso dos escorpiões, o segredo é combater as baratas, principal alimento deles. A picada do escorpião pode levar a óbito como aconteceu com dois casos registrados em Campina Grande nos últimos 10 anos. Quem guarda entulho de construção em casa ou material reciclável também tem mais chance de ser picado, além de pessoas que moram em casa sem laje no teto. Nesses casos, a dica é observar sempre as telhas da casa e passar uma vassoura.

Outra orientação é sempre para sempre que a pessoa for dormir verificar o travesseiro e o lençol. Também é aconselhável olhar os sapatos e a roupa que vai vestir, para ver se não tem um escorpião escondido. O maior cuidado, no entanto, é manter a casa limpa. Segundo a professora, o escorpião gosta tanto do tempo frio como do calor e se adapta bem em qualquer clima.

Não sendo possível evitar a picada, a orientação é para que não se aperte a área afetada, nem colocar gelo. O correto é lavar o local com água e sabão para evitar contaminação, elevar o membro e seguir imediatamente para o hospital. Se possível, os profissionais pedem que se leve também o animal que picou, vivo ou morto, pois fica mais fácil para o médico fazer a identificação e indicar o remédio para ser aplicado. Para as pessoas que têm quintal grande ou moram em sítios a dica é criar galinhas.

As pessoas atacadas por animais peçonhentos não devem praticar nenhum tipo de “simpatia”, como colocar borra de café, alho ou fazer incisões no membro, uma vez que para nenhuma dessas simpatias existe a comprovação científica. Os animais peçonhentos que chegam ao Ceatox são levados para Laboratório de Toxinas e Animais Peçonhentos (Labtox), criado dentro da estrutura do Departamento de Farmácia da UEPB e que funcionada no Hospital de Emergência e Trauma. Nesse laboratório, dois alunos extensionistas de Biologia fazem a identificação do animal. O soro antiofídico e o soro anti escorpião são produzidos por quatro laboratórios credenciados no Brasil: o Butantan, o Instituto de Pesquisa do Paraná, o Vital Brasil e o Ezequiel Dias. Toda a produção é comprada pelo governo e distribuída com os Ceatox.

O Ceatox também desaconselha a automedicação, que pode causar um quadro grave de intoxicação, além de mascarar sintomas de uma doença. Apesar da orientação, este tipo de problema tem sido recorrente. As principais vítimas são mulheres que tomam algum tipo de chá para abortar. O uso de medicamentos é a segunda maior causa de intoxicação verificada pelo Centro de Informação e Assistência Toxicológicas.

A professora Sayonara Lia Fook ressalta que a automedicação ainda é o grande problema nos casos de pacientes com intoxicação causada por plantas. Segundo ela, engana-se quem acredita que tratamentos com plantas não oferecem riscos por serem naturais. Segundo Sayonara, o risco não está somente no uso da planta medicinal, mas principalmente na quantidade que é utilizada. “Os medicamentos sempre causarão reações boas ou ruins no corpo. Por isso é preciso uma regulagem das quantidades utilizadas. Por esta razão, para alguns casos são utilizados medicamentos de farmácias de manipulação, para que o mesmo tenha os componentes na medida certa para cada caso”, explicou.

O Ceatox – CG funciona em plantões ininterruptos por 24 horas, em todos os dias do ano. “O tripé da Universidade – que é o ensino, a pesquisa e a extensão – funciona muito bem no Ceatox e, no ensino, nós também temos um projeto junto com uma multinacional que tem como objetivo capacitar a atenção básica para atender as intoxicações e os acidentes por animais peçonhentos”, destaca professora Sayonara.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Giuliana Rodrigues

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 03075fd3a6ac761c44cf09233a81a887 [1] => 0ca815c76618cbe60a3be085bf578bc7 ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

Array ( [post_title] => Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação [post_content] =>

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

O agricultor Geraldo Faustino, de 68 anos, estava na roça, no Sítio Logradouro, zona rural de Campina Grande, quando foi picado por uma jararaca, cobra do gênero bothrops. O agricultor foi socorrido e levado direto para o Centro de Informação e Assistência Toxicológicas (Ceatox) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que funciona dentro do Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande. “Eu estava limpando mato e só senti a picada”, disse o agricultor, sob olhares de três alunos plantonistas do programa.

Ele recebeu toda a assistência, a medicação adequada e está prestes a receber alta médica. Geraldo Faustino é apenas um dos milhares de pacientes atendidos por ano pelo Ceatox. Criado há 13 anos como projeto de extensão do Departamento de Farmácia da Universidade Estadual, o Ceatox é referência na saúde na região e atende anualmente mais de 2.500 pacientes de Campina Grande e dos 223 municípios da Paraíba, além de Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Desde que foi fundado, o Ceatox já atendeu mais de 32.500 pacientes vítimas de exposições tóxicas em humanos provocadas por animais peçonhentos e não peçonhentos, medicamentos, agrotóxicos, drogas de abuso e domissanitários. E as estatísticas não param de subir, porque na esteira da expansão do mercado farmacêutico, o número de pessoas intoxicadas por medicamentos e picadas de cobras e escorpiões cresce a cada dia. Nessa época do ano, aumenta o número de pessoas que são picadas por esses animais peçonhentos. Tudo porque é no período de inverno que os animais saem das tocas para se esquentar nas casas. De maio a julho, chegaram no Ceatox 58 casos de pessoas picadas por cobras e 469 por escorpiões.

O Ceatox faz parte de uma rede de centros criada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Hoje essa rede é formada por 35 centros espalhados por todo o Brasil, dos quais dois estão na Paraíba (em Campina Grande, no Hospital de Emergência e Trauma, e em João Pessoa, no Hospital Laureano Wanderley). Em Campina, o Centro atende pessoas atacadas por animais peçonhentos como serpentes, aranhas, escorpião, lagarta, entre outros, além de vítimas de intoxicação por produtos químicos, medicamentos, alimentos, domissanitários e agrotóxicos, entre outras substâncias químicas.

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

Funciona com extensionistas do Programa de Bolsas de Extensão da UEPB e com três farmacêuticos, sendo um da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e dois da UEPB, Sayonara Lia Fook que coordena o serviço, e Nícia Stellita Da Cruz Soares, que é chefe do Departamento de Farmácia, além da médica Denise Nóbrega Pires, também do curso de Farmácia da Instituição.

O atendimento dos pacientes é feito por toda uma equipe clínica do hospital, formada por médicos e enfermeiros, sendo que o acompanhamento dos pacientes é uma tarefa dos estudantes bolsistas dos cursos de Farmácia, Enfermagem e Biologia. Antes, apenas estudantes de universidades públicas como a UEPB e a UFCG, podiam concorrer ao processo seletivo para atuar no Centro, mas nos últimos meses esse serviço foi aberto para estudantes de outras faculdades particulares, a exemplo da Maurício de Nassau e Unifacisa.

A seleção é feita no meio do ano e chega a durar até três meses. Geralmente no mês de junho acontece um curso preparatório, no qual os estudantes passam uma semana dentro do Hospital de Trauma assistindo aulas práticas com a equipe do Ceatox e vendo a realidade do ambiente hospitalar. “Esse é um requisito para fazer a prova escrita. Quem passar na prova começa a fazer um treinamento, que é o curso presencial” explicou a coordenadora. O estágio dura de seis meses a um ano. Atualmente, 20 estudantes bolsistas atuam como plantonistas do Ceatox, dos quais dez são da UEPB. Além disso, o programa conta com três enfermeiras mestrandas do Programa em Saúde Pública da Universidade Estadual.

Alusca Thaís de Sousa, por exemplo, é aluna do 9º período da Faculdade Maurício de Nassau e mestranda da UEPB. Para ela, trabalhar no Ceatox, dentro de uma estrutura hospitalar, tem sido uma experiência gratificante, pois lhe permite colocar em prática os ensinamentos de sala de aula. Valter Inácio de Lima e Anderson Melo também são estudantes de Farmácia da Nassau e encontraram no Centro a oportunidade para praticar os conhecimentos científicos. Os três visitam as enfermarias, acompanham os pacientes e ajudam na recuperação médica.

O Ceatox funciona como unidade de atendimento assistencial e de vigilância. Isso porque, após assistir os pacientes, o Centro faz a notificação do caso junto ao Sistema Nacional de Agrave de Notificação (SINAN). Os pacientes assistidos pela equipe do Ceatox podem ficar internados ou apenas serem medicados e liberados em seguida, dependendo da gravidade do caso (leve, moderado ou grave). Nos casos graves, o paciente fica no hospital para tomar o soro, fazer os exames e ter todo o acompanhamento necessário.

Picadas de escorpião e cobras lideram ocorrências

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

Embora os casos de picada de escorpiões e de cobras aumentem no período o inverno, esse tipo de animal ataca o ano inteiro, conforme destacou Sayonara. Em média, a equipe de Ceatox chega atender até três casos por dia. Por mês, esse número pode extrapolar os 60 atendimentos. A maioria das pessoas atacadas por cobras é de agricultores que trabalham na roça.

Os casos de intoxicação também cresceram de forma assustadora, aumentando o trabalho da equipe. Em cinco anos, o número de pessoas vítimas de intoxicação por medicamentos cresceu em 79,8% em Campina Grande. Em média, 800 pessoas são atendidas por ano apresentando quadro de intoxicação.

Ao contrário do que muitos podem pensar, nem sempre todos os casos de intoxicação atendidao no Ceatox são causados por acidentes ou exposição de agricultores a produtos químicos. Nos últimos meses, cresceu significativamente a quantidade de pessoas que chegaram intoxicadas ao Centro após tentativa de suicídio. Segundo Syonara, mais de 90% dos casos são tentativas de suicídio. A extensionista de Farmácia, Alusca Thaís, revela que as maiores vítimas são mulheres, principalmente jovens entre 17 a 23 anos.

Cuidados para evitar acidentes com animais peçonhentos

As dicas do Ceatox para as pessoas evitarem os acidentes com animais peçonhentos variam de acordo com cada caso e tipo de animal. No caso dos escorpiões, o segredo é combater as baratas, principal alimento deles. A picada do escorpião pode levar a óbito como aconteceu com dois casos registrados em Campina Grande nos últimos 10 anos. Quem guarda entulho de construção em casa ou material reciclável também tem mais chance de ser picado, além de pessoas que moram em casa sem laje no teto. Nesses casos, a dica é observar sempre as telhas da casa e passar uma vassoura.

Outra orientação é sempre para sempre que a pessoa for dormir verificar o travesseiro e o lençol. Também é aconselhável olhar os sapatos e a roupa que vai vestir, para ver se não tem um escorpião escondido. O maior cuidado, no entanto, é manter a casa limpa. Segundo a professora, o escorpião gosta tanto do tempo frio como do calor e se adapta bem em qualquer clima.

Não sendo possível evitar a picada, a orientação é para que não se aperte a área afetada, nem colocar gelo. O correto é lavar o local com água e sabão para evitar contaminação, elevar o membro e seguir imediatamente para o hospital. Se possível, os profissionais pedem que se leve também o animal que picou, vivo ou morto, pois fica mais fácil para o médico fazer a identificação e indicar o remédio para ser aplicado. Para as pessoas que têm quintal grande ou moram em sítios a dica é criar galinhas.

Trabalho do Ceatox ajuda a salvar vidas de pessoas atacadas por animais peçonhentos e vítimas de intoxicação

As pessoas atacadas por animais peçonhentos não devem praticar nenhum tipo de “simpatia”, como colocar borra de café, alho ou fazer incisões no membro, uma vez que para nenhuma dessas simpatias existe a comprovação científica. Os animais peçonhentos que chegam ao Ceatox são levados para Laboratório de Toxinas e Animais Peçonhentos (Labtox), criado dentro da estrutura do Departamento de Farmácia da UEPB e que funcionada no Hospital de Emergência e Trauma. Nesse laboratório, dois alunos extensionistas de Biologia fazem a identificação do animal. O soro antiofídico e o soro anti escorpião são produzidos por quatro laboratórios credenciados no Brasil: o Butantan, o Instituto de Pesquisa do Paraná, o Vital Brasil e o Ezequiel Dias. Toda a produção é comprada pelo governo e distribuída com os Ceatox.

O Ceatox também desaconselha a automedicação, que pode causar um quadro grave de intoxicação, além de mascarar sintomas de uma doença. Apesar da orientação, este tipo de problema tem sido recorrente. As principais vítimas são mulheres que tomam algum tipo de chá para abortar. O uso de medicamentos é a segunda maior causa de intoxicação verificada pelo Centro de Informação e Assistência Toxicológicas.

A professora Sayonara Lia Fook ressalta que a automedicação ainda é o grande problema nos casos de pacientes com intoxicação causada por plantas. Segundo ela, engana-se quem acredita que tratamentos com plantas não oferecem riscos por serem naturais. Segundo Sayonara, o risco não está somente no uso da planta medicinal, mas principalmente na quantidade que é utilizada. “Os medicamentos sempre causarão reações boas ou ruins no corpo. Por isso é preciso uma regulagem das quantidades utilizadas. Por esta razão, para alguns casos são utilizados medicamentos de farmácias de manipulação, para que o mesmo tenha os componentes na medida certa para cada caso”, explicou.

O Ceatox – CG funciona em plantões ininterruptos por 24 horas, em todos os dias do ano. “O tripé da Universidade – que é o ensino, a pesquisa e a extensão – funciona muito bem no Ceatox e, no ensino, nós também temos um projeto junto com uma multinacional que tem como objetivo capacitar a atenção básica para atender as intoxicações e os acidentes por animais peçonhentos”, destaca professora Sayonara.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Giuliana Rodrigues

[post_excerpt] => O agricultor Geraldo Faustino, de 68 anos, estava na roça, no Sítio Logradouro, zona rural de Campina Grande, quando foi picado por uma jararaca, cobra do gênero bothrops. O agricultor foi socorrido e levado direto para o Centro de Informação e Assistência Toxicológicas (Ceatox) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que funciona dentro do Hospital Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-08-16 13:27:15 [post_date] => 2017-08-16 13:27:15 [post_modified_gmt] => 2017-08-16 13:27:15 [post_modified] => 2017-08-16 13:27:15 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34539 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/trabalho-do-ceatox-da-uepb-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 03075fd3a6ac761c44cf09233a81a887 [1] => 0ca815c76618cbe60a3be085bf578bc7 ) [faf_process_image] => 31749,31751,31755,31756 ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 13 [3] => 14 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => trabalho-do-ceatox-ajuda-a-salvar-vidas-de-pessoas-atacadas-por-animais-peconhentos-e-vitimas-de-intoxicacao )

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

UEPB entrega kits de estimulação multissensorial para bebês com microcefalia e outras deficiências

Array ( [post_title] => UEPB entrega kits de estimulação multissensorial para bebês com microcefalia e outras deficiências [post_content] => Clique para exibir o slide.

A estimulação precoce em crianças com dificuldades psicomotoras é um dos passos principais para o tratamento e evolução das aplicações que possibilitam uma melhor adaptação ao seu meio social. Potencializar as possibilidades físicas, intelectuais e afetivas da criança, promovendo a integração no nível familiar, social e ambiental, favorece para que nos primeiros anos essas crianças ganhem saúde e qualidade de vida. Pensando nisso, a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), através do Departamento de Fisioterapia, entregou 40 kits de estimulação multissensorial para mães e pais que levam seus filhos com microcefalia e outras deficiências para acompanhamento na Clínica Escola da Instituição.

A entrega aconteceu na manhã desta quarta-feira (9), no Auditório do Curso de Fisioterapia, e contou também com uma demonstração de como os familiares devem proceder para realizar as terapias de estimulação com as crianças em casa. Fazem parte do kit multissensorial 25 objetos próprios para o estímulo motor, visual, auditivo, de linguagem, de tato e inteligência do bebê. Também foi entregue uma calça de posicionamento que ajudará nas atividades fisioterápicas feitas em casa.

“Desenvolvemos quatro etapas ao longo da campanha ‘Estimulação e Desenvolvimento’, que foi iniciada com a confecção e agora entrega dos kits, também com a distribuição das calças de posicionamento, apresentação de outro kit que será entregue posteriormente e finalizando com o protocolo de acompanhamento que será feito com todas as crianças. Nosso papel é colocar em prática atividades que apresentem resultados para a sociedade. Com esse trabalho de estimulação precoce, acreditamos que essas crianças vão evoluir ainda mais, uma vez que as mães e pais vão complementar em casa o tratamento que é feito aqui na Clínica de Fisioterapia da UEPB”, frisou a professora Eliane Nóbrega, coordenadora do projeto de extensão “Microcefalia em bebês de risco” e do projeto de pesquisa em microcefalia.

Inspirado a partir da iniciativa do Unicef e da Fundação Altino Ventura, que distribuíram para famílias de crianças nessa situação de todo o Brasil objetos que podem ser usados na parte domiciliar do tratamento, um casal doou todo o material para que a partir da parceria com os projetos de extensão e pesquisa a confecção dos kits acontecesse. A professora Eliane destacou essa iniciativa e confirmou que as 40 crianças que são acompanhadas dentro das ações da Clínica demonstram cada vez mais evolução a medida que são desenvolvidas atividades desse tipo. “Não só esses pais que doaram o material, mas várias famílias se engajaram nessa campanha e o resultado foi muito positivo”, acrescentou a professora.

Mãe de um garoto de quatro meses diagnosticado com microcefalia, Lorena Oliveira, moradora do bairro do Rocha Cavalcante, em Campina Grande, não escondeu a satisfação em poder contribuir ainda mais para a melhora da saúde do filho. Segundo ela, com a orientação, e agora possuindo vários objetos que serão usados para desenvolver atividades de estimulação, a projeção que ela faz é de cada dia mais evolução. “Já consegui sentir uma melhora muito grande em apenas duas semanas de tratamento aqui na Clínica. Agora, com todos esses objetos em casa, eu quero que a saúde dele melhore ainda mais e que ele possa evoluir para ter uma qualidade de vida maior”, afirmou a mamãe.

Estudantes extensionistas demonstram como utilizar o kit multissensorial

Além de acompanhar todas as fases do atendimento na Clínica Escola dessas 40 crianças, as estudantes que fazem parte tanto do projeto de extensão “Microcefalia em bebês de risco” como do projeto de pesquisa em microcefalia desenvolveram uma aula demonstrativa de como os pais devem proceder para realizar as atividades práticas em casa. Julyana Fidélis, aluna do 8º período de Fisioterapia, destacou a necessidade dos bebês e crianças estarem em um lugar limpo, calmo e propício para que as interações com os objetos sejam feitas da melhor forma possível. Ela ainda apontou o enriquecimento acadêmico que a participação nesses projetos oferece ao longo da graduação, além da satisfação em ver que seu trabalho está dando resultado em ajudar não só bebês com microcefalia e outras deficiências, mas também suas famílias.

“A estimulação precoce é enriquecedora em vários aspectos. Não só para nós que estamos aprendendo na graduação como nos tornarmos melhores profissionais, mas principalmente como essas crianças podem ganhar em qualidade de vida. Poder ajudar alguém dessa forma é muito gratificante, porque aliamos conhecimento com a ligação afetiva que criamos com todos. O trabalho em casa é tão importante quanto o que é feito aqui na Clínica e essa demonstração que damos serve para orientá-los de como eles devem fazer em casa a estimulação”, explicou a estudante.

Também fazem parte dos projetos como extensionistas as alunas Janiele dos Santos, Larissa Duate, Mariana Cavalcante e Suyane Medeiros. Participaram da entrega dos kits a coordenadora da Clínica de Fisioterapia da UEPB, professora Maria de Lourdes Fernandes, vários professores do Departamento, além de representantes da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e da Secretaria de Saúde de Campina Grande.

 

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti

 

[post_excerpt] => A estimulação precoce em crianças com dificuldades psicomotoras é um dos passos principais para o tratamento e evolução das aplicações que possibilitam uma melhor adaptação ao seu meio social. Potencializar as possibilidades físicas, intelectuais e afetivas da criança, promovendo a integração no nível familiar, social e ambiental, favorece para que nos primeiros anos essas crianças Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-08-09 18:19:50 [post_date] => 2017-08-09 18:19:50 [post_modified_gmt] => 2017-08-09 18:19:50 [post_modified] => 2017-08-09 18:19:50 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34416 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => b91ee744ee64ebab3ee1e6a953595fc0 [1] => 35b47a5f94ef4a6e5233b54f72135682 ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 14 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

No image matches

Array ( )

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => b91ee744ee64ebab3ee1e6a953595fc0 [1] => 35b47a5f94ef4a6e5233b54f72135682 ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :UEPB entrega kits de estimulação multissensorial para bebês com microcefalia e outras deficiências

Array ( [post_title] => UEPB entrega kits de estimulação multissensorial para bebês com microcefalia e outras deficiências [post_content] => Clique para exibir o slide.

A estimulação precoce em crianças com dificuldades psicomotoras é um dos passos principais para o tratamento e evolução das aplicações que possibilitam uma melhor adaptação ao seu meio social. Potencializar as possibilidades físicas, intelectuais e afetivas da criança, promovendo a integração no nível familiar, social e ambiental, favorece para que nos primeiros anos essas crianças ganhem saúde e qualidade de vida. Pensando nisso, a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), através do Departamento de Fisioterapia, entregou 40 kits de estimulação multissensorial para mães e pais que levam seus filhos com microcefalia e outras deficiências para acompanhamento na Clínica Escola da Instituição.

A entrega aconteceu na manhã desta quarta-feira (9), no Auditório do Curso de Fisioterapia, e contou também com uma demonstração de como os familiares devem proceder para realizar as terapias de estimulação com as crianças em casa. Fazem parte do kit multissensorial 25 objetos próprios para o estímulo motor, visual, auditivo, de linguagem, de tato e inteligência do bebê. Também foi entregue uma calça de posicionamento que ajudará nas atividades fisioterápicas feitas em casa.

“Desenvolvemos quatro etapas ao longo da campanha ‘Estimulação e Desenvolvimento’, que foi iniciada com a confecção e agora entrega dos kits, também com a distribuição das calças de posicionamento, apresentação de outro kit que será entregue posteriormente e finalizando com o protocolo de acompanhamento que será feito com todas as crianças. Nosso papel é colocar em prática atividades que apresentem resultados para a sociedade. Com esse trabalho de estimulação precoce, acreditamos que essas crianças vão evoluir ainda mais, uma vez que as mães e pais vão complementar em casa o tratamento que é feito aqui na Clínica de Fisioterapia da UEPB”, frisou a professora Eliane Nóbrega, coordenadora do projeto de extensão “Microcefalia em bebês de risco” e do projeto de pesquisa em microcefalia.

Inspirado a partir da iniciativa do Unicef e da Fundação Altino Ventura, que distribuíram para famílias de crianças nessa situação de todo o Brasil objetos que podem ser usados na parte domiciliar do tratamento, um casal doou todo o material para que a partir da parceria com os projetos de extensão e pesquisa a confecção dos kits acontecesse. A professora Eliane destacou essa iniciativa e confirmou que as 40 crianças que são acompanhadas dentro das ações da Clínica demonstram cada vez mais evolução a medida que são desenvolvidas atividades desse tipo. “Não só esses pais que doaram o material, mas várias famílias se engajaram nessa campanha e o resultado foi muito positivo”, acrescentou a professora.

Mãe de um garoto de quatro meses diagnosticado com microcefalia, Lorena Oliveira, moradora do bairro do Rocha Cavalcante, em Campina Grande, não escondeu a satisfação em poder contribuir ainda mais para a melhora da saúde do filho. Segundo ela, com a orientação, e agora possuindo vários objetos que serão usados para desenvolver atividades de estimulação, a projeção que ela faz é de cada dia mais evolução. “Já consegui sentir uma melhora muito grande em apenas duas semanas de tratamento aqui na Clínica. Agora, com todos esses objetos em casa, eu quero que a saúde dele melhore ainda mais e que ele possa evoluir para ter uma qualidade de vida maior”, afirmou a mamãe.

Estudantes extensionistas demonstram como utilizar o kit multissensorial

Além de acompanhar todas as fases do atendimento na Clínica Escola dessas 40 crianças, as estudantes que fazem parte tanto do projeto de extensão “Microcefalia em bebês de risco” como do projeto de pesquisa em microcefalia desenvolveram uma aula demonstrativa de como os pais devem proceder para realizar as atividades práticas em casa. Julyana Fidélis, aluna do 8º período de Fisioterapia, destacou a necessidade dos bebês e crianças estarem em um lugar limpo, calmo e propício para que as interações com os objetos sejam feitas da melhor forma possível. Ela ainda apontou o enriquecimento acadêmico que a participação nesses projetos oferece ao longo da graduação, além da satisfação em ver que seu trabalho está dando resultado em ajudar não só bebês com microcefalia e outras deficiências, mas também suas famílias.

“A estimulação precoce é enriquecedora em vários aspectos. Não só para nós que estamos aprendendo na graduação como nos tornarmos melhores profissionais, mas principalmente como essas crianças podem ganhar em qualidade de vida. Poder ajudar alguém dessa forma é muito gratificante, porque aliamos conhecimento com a ligação afetiva que criamos com todos. O trabalho em casa é tão importante quanto o que é feito aqui na Clínica e essa demonstração que damos serve para orientá-los de como eles devem fazer em casa a estimulação”, explicou a estudante.

Também fazem parte dos projetos como extensionistas as alunas Janiele dos Santos, Larissa Duate, Mariana Cavalcante e Suyane Medeiros. Participaram da entrega dos kits a coordenadora da Clínica de Fisioterapia da UEPB, professora Maria de Lourdes Fernandes, vários professores do Departamento, além de representantes da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e da Secretaria de Saúde de Campina Grande.

 

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti

 

[post_excerpt] => A estimulação precoce em crianças com dificuldades psicomotoras é um dos passos principais para o tratamento e evolução das aplicações que possibilitam uma melhor adaptação ao seu meio social. Potencializar as possibilidades físicas, intelectuais e afetivas da criança, promovendo a integração no nível familiar, social e ambiental, favorece para que nos primeiros anos essas crianças Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-08-09 18:19:50 [post_date] => 2017-08-09 18:19:50 [post_modified_gmt] => 2017-08-09 18:19:50 [post_modified] => 2017-08-09 18:19:50 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34416 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-tratamento-de-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => b91ee744ee64ebab3ee1e6a953595fc0 [1] => 35b47a5f94ef4a6e5233b54f72135682 ) [faf_process_image] => ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 14 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => uepb-entrega-kits-de-estimulacao-multissensorial-para-bebes-com-microcefalia-e-outras-deficiencias )

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

Projeto de dança e natação inclusiva encerra semestre de atividades com apresentação pedagógica

Array ( [post_title] => Projeto de dança e natação inclusiva encerra semestre de atividades com apresentação pedagógica [post_content] => Clique para exibir o slide.

Após seis meses de atividades aquáticas e de salão com foco no desenvolvimento motor, cognitivo, afetivo e social, o projeto de extensão “Dança e Natação Inclusiva para Usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Por Que Não Eu?”, encerrou suas práticas semestrais com uma apresentação pedagógica. A reunião envolvendo todos os professores ligados à iniciativa, assim como alunos e usuários aconteceu na tarde desta quinta-feira (3) no Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Na ocasião, foram distribuídas toalhas bordadas como brindes para todos.

O objetivo da apresentação foi avaliar todas as atividades desenvolvidas no projeto ao longo do semestre 2016.2, que oferecou dança e natação no tratamento de 17 crianças e jovens que sofrem com desconfortos mentais. A iniciativa propõe incluir qualidade de vida aos usuários, além de funcionar como instrumento de desenvolvimento científico para sete estagiários que são estudantes do curso de Educação Física da UEPB.

De acordo com a professora Sidilene Gonzaga de Melo, coordenadora do projeto, a atividade recreativa a qual o “Por Que Não Eu?” dispõe permeia entre a melhora da capacidade física e motora dos usuários, ao desenvolvimento de outras funções importantes para essas crianças e jovens, como o estabelecimento da confiança no outro, a socialização e a afetividade. Todos os exercícios são desenvolvidos na piscina e em salas do DEF com o acompanhamento direto dos alunos e supervisão dos professores.

“Nossa intenção é oferecer mais uma importante ajuda para o tratamento desses jovens que são acompanhados pelo CAPS do Alto Branco, aqui em Campina Grande. Essas atividades são complementares, uma vez que a prática esportiva contribui muito para a qualidade de vida de todos. Nós não os ensinamos a nadar ou dançar, e sim a desenvolver uma atividade recreativa que melhore sua respiração, concentração, desenvolvimento motor e físico”, explicou a coordenadora do projeto que funciona desde 2013.

Estagiária do projeto, a estudante do 2º período, Ana Luíza Melo, foi a responsável por realizar a apresentação pedagógica e destacou o quanto os usuários evoluem em diversas áreas a medida que participam das atividades. “Nós vemos a evolução de todos, seja na parte motora ou afetiva. São resultados que não deixam apenas as famílias felizes, mas nós também. E tudo isso nos ajuda em nossa formação e qualificação como professor, além da satisfação como pessoa de poder contribuir para a qualidade de vida deles”, disse a aluna.

A dona de casa, Rosa Maria Gomes, mora no bairro de Santa Rosa, e desde o ano passado traz a filha de 14 anos para participar do projeto. Ela não esconde a satisfação em ver a melhora da filha que teve meningite aos oito meses, e após estar inserida nessas atividades conseguiu evoluir nos aspectos físicos e sociais. “Como ela ficou doente muito cedo, o desenvolvimento dela ficou bastante atrasado. Com essas atividades ela consegue ter mais coordenação motora, fica satisfeita quando participa das aulas na piscina e ainda melhorou bastante a qualidade de vida no quesito social. Eu estou muito feliz e satisfeita com o resultado, pretendendo continuar trazendo ela durante muito tempo”, disse a mãe.

Com o encerramento desse semestre, a professora Sidilene Gonzaga afirmou que o próximo passo começa com a possibilidade de formar uma nova turma para atender ainda mais usuários do Centro de Atenção Psicossocial. “O semestre 2017.1 começa no dia 21 de agosto. Após essa data nós vamos definir quando as atividades do projeto retornarão e com uma grande possibilidade de termos uma nova turma para atendermos ainda mais crianças e jovens que são usuários do CAPS”, projetou a professora Sidilene.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti

[post_excerpt] => Após seis meses de atividades aquáticas e de salão com foco no desenvolvimento motor, cognitivo, afetivo e social, o projeto de extensão “Dança e Natação Inclusiva para Usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Por Que Não Eu?”, encerrou suas práticas semestrais com uma apresentação pedagógica. A reunião envolvendo todos os professores ligados à iniciativa, Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-08-03 20:58:35 [post_date] => 2017-08-03 20:58:35 [post_modified_gmt] => 2017-08-03 20:58:35 [post_modified] => 2017-08-03 20:58:35 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34298 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => c1c3892729bdfe7bda749d740532ca3e [1] => f23b62607db26bc9ee4ca3022597ad8c ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 9 [3] => 14 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

Local save:http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/nata%C3%A7%C3%A3o03.jpg

Image process :: Saving local image

grab remote location : http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/nata%C3%A7%C3%A3o03.jpg

Image exists, checking for same file size

Replacing images : - ON Clique para exibir o slide.

Após seis meses de atividades aquáticas e de salão com foco no desenvolvimento motor, cognitivo, afetivo e social, o projeto de extensão “Dança e Natação Inclusiva para Usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Por Que Não Eu?”, encerrou suas práticas semestrais com uma apresentação pedagógica. A reunião envolvendo todos os professores ligados à iniciativa, assim como alunos e usuários aconteceu na tarde desta quinta-feira (3) no Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Na ocasião, foram distribuídas toalhas bordadas como brindes para todos.

O objetivo da apresentação foi avaliar todas as atividades desenvolvidas no projeto ao longo do semestre 2016.2, que oferecou dança e natação no tratamento de 17 crianças e jovens que sofrem com desconfortos mentais. A iniciativa propõe incluir qualidade de vida aos usuários, além de funcionar como instrumento de desenvolvimento científico para sete estagiários que são estudantes do curso de Educação Física da UEPB.

De acordo com a professora Sidilene Gonzaga de Melo, coordenadora do projeto, a atividade recreativa a qual o “Por Que Não Eu?” dispõe permeia entre a melhora da capacidade física e motora dos usuários, ao desenvolvimento de outras funções importantes para essas crianças e jovens, como o estabelecimento da confiança no outro, a socialização e a afetividade. Todos os exercícios são desenvolvidos na piscina e em salas do DEF com o acompanhamento direto dos alunos e supervisão dos professores.

“Nossa intenção é oferecer mais uma importante ajuda para o tratamento desses jovens que são acompanhados pelo CAPS do Alto Branco, aqui em Campina Grande. Essas atividades são complementares, uma vez que a prática esportiva contribui muito para a qualidade de vida de todos. Nós não os ensinamos a nadar ou dançar, e sim a desenvolver uma atividade recreativa que melhore sua respiração, concentração, desenvolvimento motor e físico”, explicou a coordenadora do projeto que funciona desde 2013.

Estagiária do projeto, a estudante do 2º período, Ana Luíza Melo, foi a responsável por realizar a apresentação pedagógica e destacou o quanto os usuários evoluem em diversas áreas a medida que participam das atividades. “Nós vemos a evolução de todos, seja na parte motora ou afetiva. São resultados que não deixam apenas as famílias felizes, mas nós também. E tudo isso nos ajuda em nossa formação e qualificação como professor, além da satisfação como pessoa de poder contribuir para a qualidade de vida deles”, disse a aluna.

A dona de casa, Rosa Maria Gomes, mora no bairro de Santa Rosa, e desde o ano passado traz a filha de 14 anos para participar do projeto. Ela não esconde a satisfação em ver a melhora da filha que teve meningite aos oito meses, e após estar inserida nessas atividades conseguiu evoluir nos aspectos físicos e sociais. “Como ela ficou doente muito cedo, o desenvolvimento dela ficou bastante atrasado. Com essas atividades ela consegue ter mais coordenação motora, fica satisfeita quando participa das aulas na piscina e ainda melhorou bastante a qualidade de vida no quesito social. Eu estou muito feliz e satisfeita com o resultado, pretendendo continuar trazendo ela durante muito tempo”, disse a mãe.

Com o encerramento desse semestre, a professora Sidilene Gonzaga afirmou que o próximo passo começa com a possibilidade de formar uma nova turma para atender ainda mais usuários do Centro de Atenção Psicossocial. “O semestre 2017.1 começa no dia 21 de agosto. Após essa data nós vamos definir quando as atividades do projeto retornarão e com uma grande possibilidade de termos uma nova turma para atendermos ainda mais crianças e jovens que são usuários do CAPS”, projetou a professora Sidilene.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => c1c3892729bdfe7bda749d740532ca3e [1] => f23b62607db26bc9ee4ca3022597ad8c ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :Projeto de dança e natação inclusiva encerra semestre de atividades com apresentação pedagógica

Array ( [post_title] => Projeto de dança e natação inclusiva encerra semestre de atividades com apresentação pedagógica [post_content] => Clique para exibir o slide.

Após seis meses de atividades aquáticas e de salão com foco no desenvolvimento motor, cognitivo, afetivo e social, o projeto de extensão “Dança e Natação Inclusiva para Usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Por Que Não Eu?”, encerrou suas práticas semestrais com uma apresentação pedagógica. A reunião envolvendo todos os professores ligados à iniciativa, assim como alunos e usuários aconteceu na tarde desta quinta-feira (3) no Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Na ocasião, foram distribuídas toalhas bordadas como brindes para todos.

O objetivo da apresentação foi avaliar todas as atividades desenvolvidas no projeto ao longo do semestre 2016.2, que oferecou dança e natação no tratamento de 17 crianças e jovens que sofrem com desconfortos mentais. A iniciativa propõe incluir qualidade de vida aos usuários, além de funcionar como instrumento de desenvolvimento científico para sete estagiários que são estudantes do curso de Educação Física da UEPB.

De acordo com a professora Sidilene Gonzaga de Melo, coordenadora do projeto, a atividade recreativa a qual o “Por Que Não Eu?” dispõe permeia entre a melhora da capacidade física e motora dos usuários, ao desenvolvimento de outras funções importantes para essas crianças e jovens, como o estabelecimento da confiança no outro, a socialização e a afetividade. Todos os exercícios são desenvolvidos na piscina e em salas do DEF com o acompanhamento direto dos alunos e supervisão dos professores.

“Nossa intenção é oferecer mais uma importante ajuda para o tratamento desses jovens que são acompanhados pelo CAPS do Alto Branco, aqui em Campina Grande. Essas atividades são complementares, uma vez que a prática esportiva contribui muito para a qualidade de vida de todos. Nós não os ensinamos a nadar ou dançar, e sim a desenvolver uma atividade recreativa que melhore sua respiração, concentração, desenvolvimento motor e físico”, explicou a coordenadora do projeto que funciona desde 2013.

Projeto de dança e natação inclusiva encerra semestre de atividades com apresentação pedagógica

Estagiária do projeto, a estudante do 2º período, Ana Luíza Melo, foi a responsável por realizar a apresentação pedagógica e destacou o quanto os usuários evoluem em diversas áreas a medida que participam das atividades. “Nós vemos a evolução de todos, seja na parte motora ou afetiva. São resultados que não deixam apenas as famílias felizes, mas nós também. E tudo isso nos ajuda em nossa formação e qualificação como professor, além da satisfação como pessoa de poder contribuir para a qualidade de vida deles”, disse a aluna.

A dona de casa, Rosa Maria Gomes, mora no bairro de Santa Rosa, e desde o ano passado traz a filha de 14 anos para participar do projeto. Ela não esconde a satisfação em ver a melhora da filha que teve meningite aos oito meses, e após estar inserida nessas atividades conseguiu evoluir nos aspectos físicos e sociais. “Como ela ficou doente muito cedo, o desenvolvimento dela ficou bastante atrasado. Com essas atividades ela consegue ter mais coordenação motora, fica satisfeita quando participa das aulas na piscina e ainda melhorou bastante a qualidade de vida no quesito social. Eu estou muito feliz e satisfeita com o resultado, pretendendo continuar trazendo ela durante muito tempo”, disse a mãe.

Com o encerramento desse semestre, a professora Sidilene Gonzaga afirmou que o próximo passo começa com a possibilidade de formar uma nova turma para atender ainda mais usuários do Centro de Atenção Psicossocial. “O semestre 2017.1 começa no dia 21 de agosto. Após essa data nós vamos definir quando as atividades do projeto retornarão e com uma grande possibilidade de termos uma nova turma para atendermos ainda mais crianças e jovens que são usuários do CAPS”, projetou a professora Sidilene.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti

[post_excerpt] => Após seis meses de atividades aquáticas e de salão com foco no desenvolvimento motor, cognitivo, afetivo e social, o projeto de extensão “Dança e Natação Inclusiva para Usuários do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), Por Que Não Eu?”, encerrou suas práticas semestrais com uma apresentação pedagógica. A reunião envolvendo todos os professores ligados à iniciativa, Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-08-03 20:58:35 [post_date] => 2017-08-03 20:58:35 [post_modified_gmt] => 2017-08-03 20:58:35 [post_modified] => 2017-08-03 20:58:35 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34298 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => c1c3892729bdfe7bda749d740532ca3e [1] => f23b62607db26bc9ee4ca3022597ad8c ) [faf_process_image] => 31757 ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 9 [3] => 14 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => projeto-de-danca-e-natacao-inclusiva-encerra-semestre-de-atividades-com-apresentacao-pedagogica )

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

Jogos Universitários da UEPB reunirão mais de cinco mil atletas durante competições no mês de setembro

Array ( [post_title] => Jogos Universitários da UEPB reunirão mais de cinco mil atletas durante competições no mês de setembro [post_content] =>

Na quadra, no campo e na pista, durante três dias do mês de setembro o sonho de colocar a medalha no peito e subir no lugar mais alto do pódio moverá mais de 5 mil atletas dos oito câmpus da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) que, através da Coordenadoria de Esporte e Lazer (COEL), realizará a edição 2017 dos Jogos Universitários da Instituição.

Realizado em formato inédito, os jogos deste ano acontecem entre os dias 27 e 29 de setembro e serão divididos em duas etapas, mobilizando a Pró-Reitoria Estudantil (PROEST), os Centros de Ensino e Departamentos, Centros Acadêmicos e toda comunidade discente. A edição 2017 dos jogos contarão com oito modalidades disputadas de forma individual e coletiva, no masculino e feminino.

Na parte individual, os atletas buscarão medalhas nas categorias Atletismo, Judô, Natação e Xadrez. No coletivo, disputarão os jogos as equipes de Basquetebol, Futsal, Handebol e Voleibol. No total, 30 equipes representando todos os Centros da UEPB irão participar dos jogos, sendo 15 equipes masculinas e 15 femininas.

As inscrições para os jogos estão sendo realizadas até o dia 25 de agosto, na PROEST, localizada no Térreo do Prédio Administrativo, no Câmpus de Bodocongó. Não haverá limites de inscrição para os atletas que pretendem competir de forma individual. As competições individuais serão disputadas uma semana antes dos jogos coletivos. A primeira etapa dos jogos será realizada pelos Centros Acadêmicos (CAs) em conjunto com os interessados dos diversos cursos, que irão escolher seus representantes de cada modalidade para a segunda etapa. As competições da etapa final serão disputadas no Ginásio de Esportes do Departamento de Educação Física (DEF) da UEPB, no Ginásio de Esportes da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e no Ginásio O Meninão, no bairro do Centenário.

Segundo o coordenador de Esporte e Lazer da UEPB, professor Eugênio Moura, com essa iniciativa a Universidade pretende montar equipes e atletas individuais que serão selecionados para participarem dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs). A intenção da COEL é realizar os Jogos Universitários a cada dois anos, com a finalidade de fomentar a prática desportiva como instrumento indispensável para a formação do indivíduo.

Outras informações sobre a competição podem ser obtidas no site http://coordenadorias.uepb.edu.br/coel/, pelo Facebook www.facebook.com/coel.uepb.17, pelo Instagram @coeluepb ou pelos telefones (83) 3315-3328 / 3450. Confira o regulamento completo da competição clicando AQUI.

Texto: Severino Lopes

 

[post_excerpt] => Na quadra, no campo e na pista, durante três dias do mês de setembro o sonho de colocar a medalha no peito e subir no lugar mais alto do pódio moverá mais de 5 mil atletas dos oito câmpus da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) que, através da Coordenadoria de Esporte e Lazer (COEL), realizará Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-27 16:03:32 [post_date] => 2017-07-27 16:03:32 [post_modified_gmt] => 2017-07-27 16:03:32 [post_modified] => 2017-07-27 16:03:32 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34158 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 687113ae6e2c330cecede245400582bf [1] => d9843cd98de2d3ba4865c0a62b2d1a3f ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 15 [1] => 8 [2] => 5 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

Local save:http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/07/JOGOS-UEPB-CARTAZ-728x1024.jpg

Image process :: Saving local image

grab remote location : http://www.uepb.edu.br/wp-content/uploads/2017/07/JOGOS-UEPB-CARTAZ-728x1024.jpg

Image exists, checking for same file size

Replacing images : - ON

Na quadra, no campo e na pista, durante três dias do mês de setembro o sonho de colocar a medalha no peito e subir no lugar mais alto do pódio moverá mais de 5 mil atletas dos oito câmpus da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) que, através da Coordenadoria de Esporte e Lazer (COEL), realizará a edição 2017 dos Jogos Universitários da Instituição.

Realizado em formato inédito, os jogos deste ano acontecem entre os dias 27 e 29 de setembro e serão divididos em duas etapas, mobilizando a Pró-Reitoria Estudantil (PROEST), os Centros de Ensino e Departamentos, Centros Acadêmicos e toda comunidade discente. A edição 2017 dos jogos contarão com oito modalidades disputadas de forma individual e coletiva, no masculino e feminino.

Na parte individual, os atletas buscarão medalhas nas categorias Atletismo, Judô, Natação e Xadrez. No coletivo, disputarão os jogos as equipes de Basquetebol, Futsal, Handebol e Voleibol. No total, 30 equipes representando todos os Centros da UEPB irão participar dos jogos, sendo 15 equipes masculinas e 15 femininas.

As inscrições para os jogos estão sendo realizadas até o dia 25 de agosto, na PROEST, localizada no Térreo do Prédio Administrativo, no Câmpus de Bodocongó. Não haverá limites de inscrição para os atletas que pretendem competir de forma individual. As competições individuais serão disputadas uma semana antes dos jogos coletivos. A primeira etapa dos jogos será realizada pelos Centros Acadêmicos (CAs) em conjunto com os interessados dos diversos cursos, que irão escolher seus representantes de cada modalidade para a segunda etapa. As competições da etapa final serão disputadas no Ginásio de Esportes do Departamento de Educação Física (DEF) da UEPB, no Ginásio de Esportes da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e no Ginásio O Meninão, no bairro do Centenário.

Segundo o coordenador de Esporte e Lazer da UEPB, professor Eugênio Moura, com essa iniciativa a Universidade pretende montar equipes e atletas individuais que serão selecionados para participarem dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs). A intenção da COEL é realizar os Jogos Universitários a cada dois anos, com a finalidade de fomentar a prática desportiva como instrumento indispensável para a formação do indivíduo.

Outras informações sobre a competição podem ser obtidas no site http://coordenadorias.uepb.edu.br/coel/, pelo Facebook www.facebook.com/coel.uepb.17, pelo Instagram @coeluepb ou pelos telefones (83) 3315-3328 / 3450. Confira o regulamento completo da competição clicando AQUI.

Texto: Severino Lopes

 

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 687113ae6e2c330cecede245400582bf [1] => d9843cd98de2d3ba4865c0a62b2d1a3f ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :Jogos Universitários da UEPB reunirão mais de cinco mil atletas durante competições no mês de setembro

Array ( [post_title] => Jogos Universitários da UEPB reunirão mais de cinco mil atletas durante competições no mês de setembro [post_content] =>

Na quadra, no campo e na pista, durante três dias do mês de setembro o sonho de colocar a medalha no peito e subir no lugar mais alto do pódio moverá mais de 5 mil atletas dos oito câmpus da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) que, através da Coordenadoria de Esporte e Lazer (COEL), realizará a edição 2017 dos Jogos Universitários da Instituição.

Realizado em formato inédito, os jogos deste ano acontecem entre os dias 27 e 29 de setembro e serão divididos em duas etapas, mobilizando a Pró-Reitoria Estudantil (PROEST), os Centros de Ensino e Departamentos, Centros Acadêmicos e toda comunidade discente. A edição 2017 dos jogos contarão com oito modalidades disputadas de forma individual e coletiva, no masculino e feminino.

Na parte individual, os atletas buscarão medalhas nas categorias Atletismo, Judô, Natação e Xadrez. No coletivo, disputarão os jogos as equipes de Basquetebol, Futsal, Handebol e Voleibol. No total, 30 equipes representando todos os Centros da UEPB irão participar dos jogos, sendo 15 equipes masculinas e 15 femininas.

As inscrições para os jogos estão sendo realizadas até o dia 25 de agosto, na PROEST, localizada no Térreo do Prédio Administrativo, no Câmpus de Bodocongó. Não haverá limites de inscrição para os atletas que pretendem competir de forma individual. As competições individuais serão disputadas uma semana antes dos jogos coletivos. A primeira etapa dos jogos será realizada pelos Centros Acadêmicos (CAs) em conjunto com os interessados dos diversos cursos, que irão escolher seus representantes de cada modalidade para a segunda etapa. As competições da etapa final serão disputadas no Ginásio de Esportes do Departamento de Educação Física (DEF) da UEPB, no Ginásio de Esportes da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e no Ginásio O Meninão, no bairro do Centenário.

Segundo o coordenador de Esporte e Lazer da UEPB, professor Eugênio Moura, com essa iniciativa a Universidade pretende montar equipes e atletas individuais que serão selecionados para participarem dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs). A intenção da COEL é realizar os Jogos Universitários a cada dois anos, com a finalidade de fomentar a prática desportiva como instrumento indispensável para a formação do indivíduo.

Outras informações sobre a competição podem ser obtidas no site http://coordenadorias.uepb.edu.br/coel/, pelo Facebook www.facebook.com/coel.uepb.17, pelo Instagram @coeluepb ou pelos telefones (83) 3315-3328 / 3450. Confira o regulamento completo da competição clicando AQUI.

Jogos Universitários da UEPB reunirão mais de cinco mil atletas durante competições no mês de setembro

Texto: Severino Lopes

 

[post_excerpt] => Na quadra, no campo e na pista, durante três dias do mês de setembro o sonho de colocar a medalha no peito e subir no lugar mais alto do pódio moverá mais de 5 mil atletas dos oito câmpus da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) que, através da Coordenadoria de Esporte e Lazer (COEL), realizará Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-27 16:03:32 [post_date] => 2017-07-27 16:03:32 [post_modified_gmt] => 2017-07-27 16:03:32 [post_modified] => 2017-07-27 16:03:32 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34158 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 687113ae6e2c330cecede245400582bf [1] => d9843cd98de2d3ba4865c0a62b2d1a3f ) [faf_process_image] => 31760 ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 15 [1] => 8 [2] => 5 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => jogos-universitarios-da-uepb-reunirao-mais-de-cinco-mil-atletas-durante-competicoes-no-mes-de-setembro )

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

Mostra de Estágio Supervisionado apresenta resultados de atividades desenvolvidas por alunos do DEF

Array ( [post_title] => Mostra de Estágio Supervisionado apresenta resultados de atividades desenvolvidas por alunos do DEF [post_content] => Clique para exibir o slide.

Como culminância dos trabalhos realizados nas escolas públicas de Campina Grande pelos estudantes do 5º, 6º, 7º e 8º períodos, o Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realizou durante toda a manhã desta quinta-feira (27), a 3ª Mostra Estágio Supervisionado do DEF, que reuniu cerca de 120 alunos e diversos professores que atuam como supervisores no Estágio I, Educação Infantil; Estágio II, Ensino Fundamental; Estágio III, Ensino Médio; e Estágio IV, no campo não formal, realizados semestralmente em 14 escolas públicas da cidade, das redes municipal e estadual.

Eles aproveitaram a Mostra para apresentar os resultados de experiências práticas e vivências no ambiente de sala de aula. Além dos estudantes e supervisores, participaram da Mostra a diretora do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), professora Alessandra Teixeira; o coordenador de Esportes e Lazer da Instituição e supervisor de estágios do DEF, professor Eugênio Elói; além do chefe de Departamento, José Pereira do Nascimento; e a chefe adjunta, professora Dóris Nóbrega.

A Mostra foi aberta com a palestra “A Importância do Estágio Supervisionado na Formação do Profissional de Educação Física”, ministrada pelo professor Manoel Freire de Oliveira. Em sua exposição, Manoel Freire, que também é o idealizador e coordenador da Universidade Aberta à Maturidade (UAMA), destacou a importância do Estágio Supervisionado e o papel que o futuro professor exerce em sala de aula, atuando como agente transformador dos alunos.

Ele ressaltou que o professor transmite conhecimentos, ajuda a formar cidadania e, principalmente, muda a realidade. Com a experiência de quem está há anos em sala de aula, Manoel Freire disse ainda que o estagiário convive com estudantes de diversas realidades sociais, sendo que muitos chegam em sala de aula com problemas oriundos de casa. Nesse sentido, cabe ao professor, segundo ele, ter a sensibilidade para perceber esse viés e ajudar a transformar a situação.

A sensibilidade, conforme frisou o professor Manoel Freire, é fundamental para o professor conquistar o aluno. Para isso, ele precisa valorizar as pequenas coisas e gestos em sala de aula. Para o professor Manoel Freire, a palavra para garantir o sucesso em um estágio é: planejamento. “O futuro profissional precisa estar preparado, sabendo que seus gestos e ações, inevitavelmente, influenciam na vida dos alunos”, salientou.

Diretora do CCBS, a professora Alessandra Teixeira elogiou a iniciativa dos estudantes do Curso de Educação Física e disse que a Mostra é fundamental para dar visibilidade às atividades desenvolvidas nas escolas públicas. Coordenador de Estágio Supervisionado do DEF, o professor Ivanildo Alcântara de Sousa disse que a Mostra foi a culminância das atividades realizadas no semestre 2016.2 e serviu para os alunos relatarem como foi a vivência em sala de aula, bem como os frutos que colheram. “É um momento de aprendizagem, de troca de experiência e das vivências dos estudantes nos campos de estágio”, comentou professor Ivanildo.

Chefe do Departamento, o professor José Pereira disse que a Mostra de Estágio Supervisionado traduz a qualidade das atividades realizadas pelos futuros profissionais da área. Ele revelou que os relatos dos projetos serão transformados em artigos e publicados em revistas de Educação Físcia e Saúde. Os resumos das atividades foram apresentados em forma de banners. No total, 11 banners contendo fotos e informações ficaram expostos durante toda a manhã.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: J.Cesar

[post_excerpt] => Como culminância dos trabalhos realizados nas escolas públicas de Campina Grande pelos estudantes do 5º, 6º, 7º e 8º períodos, o Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realizou durante toda a manhã desta quinta-feira (27), a 3ª Mostra Estágio Supervisionado do DEF, que reuniu cerca de 120 alunos e diversos Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-27 15:37:03 [post_date] => 2017-07-27 15:37:03 [post_modified_gmt] => 2017-07-27 15:37:03 [post_modified] => 2017-07-27 15:37:03 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34148 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => af1fdaedb79a3d31495162353c08193e [1] => 06c82e993e13ed2d6142793c4c2dc4fa ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-desenvolvidas-por-alunos-do-def-2 )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

No image matches

Array ( )

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => af1fdaedb79a3d31495162353c08193e [1] => 06c82e993e13ed2d6142793c4c2dc4fa ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :Mostra de Estágio Supervisionado apresenta resultados de atividades desenvolvidas por alunos do DEF

Array ( [post_title] => Mostra de Estágio Supervisionado apresenta resultados de atividades desenvolvidas por alunos do DEF [post_content] => Clique para exibir o slide.

Como culminância dos trabalhos realizados nas escolas públicas de Campina Grande pelos estudantes do 5º, 6º, 7º e 8º períodos, o Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realizou durante toda a manhã desta quinta-feira (27), a 3ª Mostra Estágio Supervisionado do DEF, que reuniu cerca de 120 alunos e diversos professores que atuam como supervisores no Estágio I, Educação Infantil; Estágio II, Ensino Fundamental; Estágio III, Ensino Médio; e Estágio IV, no campo não formal, realizados semestralmente em 14 escolas públicas da cidade, das redes municipal e estadual.

Eles aproveitaram a Mostra para apresentar os resultados de experiências práticas e vivências no ambiente de sala de aula. Além dos estudantes e supervisores, participaram da Mostra a diretora do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), professora Alessandra Teixeira; o coordenador de Esportes e Lazer da Instituição e supervisor de estágios do DEF, professor Eugênio Elói; além do chefe de Departamento, José Pereira do Nascimento; e a chefe adjunta, professora Dóris Nóbrega.

A Mostra foi aberta com a palestra “A Importância do Estágio Supervisionado na Formação do Profissional de Educação Física”, ministrada pelo professor Manoel Freire de Oliveira. Em sua exposição, Manoel Freire, que também é o idealizador e coordenador da Universidade Aberta à Maturidade (UAMA), destacou a importância do Estágio Supervisionado e o papel que o futuro professor exerce em sala de aula, atuando como agente transformador dos alunos.

Ele ressaltou que o professor transmite conhecimentos, ajuda a formar cidadania e, principalmente, muda a realidade. Com a experiência de quem está há anos em sala de aula, Manoel Freire disse ainda que o estagiário convive com estudantes de diversas realidades sociais, sendo que muitos chegam em sala de aula com problemas oriundos de casa. Nesse sentido, cabe ao professor, segundo ele, ter a sensibilidade para perceber esse viés e ajudar a transformar a situação.

A sensibilidade, conforme frisou o professor Manoel Freire, é fundamental para o professor conquistar o aluno. Para isso, ele precisa valorizar as pequenas coisas e gestos em sala de aula. Para o professor Manoel Freire, a palavra para garantir o sucesso em um estágio é: planejamento. “O futuro profissional precisa estar preparado, sabendo que seus gestos e ações, inevitavelmente, influenciam na vida dos alunos”, salientou.

Diretora do CCBS, a professora Alessandra Teixeira elogiou a iniciativa dos estudantes do Curso de Educação Física e disse que a Mostra é fundamental para dar visibilidade às atividades desenvolvidas nas escolas públicas. Coordenador de Estágio Supervisionado do DEF, o professor Ivanildo Alcântara de Sousa disse que a Mostra foi a culminância das atividades realizadas no semestre 2016.2 e serviu para os alunos relatarem como foi a vivência em sala de aula, bem como os frutos que colheram. “É um momento de aprendizagem, de troca de experiência e das vivências dos estudantes nos campos de estágio”, comentou professor Ivanildo.

Chefe do Departamento, o professor José Pereira disse que a Mostra de Estágio Supervisionado traduz a qualidade das atividades realizadas pelos futuros profissionais da área. Ele revelou que os relatos dos projetos serão transformados em artigos e publicados em revistas de Educação Físcia e Saúde. Os resumos das atividades foram apresentados em forma de banners. No total, 11 banners contendo fotos e informações ficaram expostos durante toda a manhã.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: J.Cesar

[post_excerpt] => Como culminância dos trabalhos realizados nas escolas públicas de Campina Grande pelos estudantes do 5º, 6º, 7º e 8º períodos, o Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realizou durante toda a manhã desta quinta-feira (27), a 3ª Mostra Estágio Supervisionado do DEF, que reuniu cerca de 120 alunos e diversos Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-27 15:37:03 [post_date] => 2017-07-27 15:37:03 [post_modified_gmt] => 2017-07-27 15:37:03 [post_modified] => 2017-07-27 15:37:03 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34148 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/3a-mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-praticas-desenvolvidas-por-alunos-do-def/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => af1fdaedb79a3d31495162353c08193e [1] => 06c82e993e13ed2d6142793c4c2dc4fa ) [faf_process_image] => ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => mostra-de-estagio-supervisionado-apresenta-resultados-de-atividades-desenvolvidas-por-alunos-do-def-2 )

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

Núcleo de Biossegurança em Saúde da UEPB realiza ações de prevenção e combate às hepatites virais

Array ( [post_title] => Núcleo de Biossegurança em Saúde da UEPB realiza ações de prevenção e combate às hepatites virais [post_content] => Clique para exibir o slide.

Em alusão ao Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, a ser lembrado no próximo dia 28 de julho, o Núcleo Universitário de Biossegurança em Saúde (NUBS) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realizou nesta quarta-feira (26) uma ação voltada para a prevenção e combate dessas doenças. A ação aconteceu na sala do NUBS, localizada no Departamento de Odontologia, Câmpus de Campina Grande, e mobilizou estudantes e professores dos cursos de Odontologia, Enfermagem e Psicologia.

Na ocasião foram oferecidas várias atividades relacionadas à prevenção das hepatites virais, como vacina contra hepatite B e gripe influenza (H1N1), além de aplicadas doses de DTP contra tétano e difteria. Em outra sala, foram ofertados testes de hepatite dos tipos B e C e do HIV. A ação foi aberta para estudantes, servidores da Instituição, pacientes das Clínicas Escolas e a comunidade em geral. Toda a ação foi acompanhada pelo professor de Enfermagem Erijacson Damião, que aproveitou a ocasião para fornecer várias dicas preventivas das doenças virais, além de reforçar a importância das vacinas.

As vacinas foram aplicadas por estudantes de Enfermagem; os testes feitos pela bióloga Marina de Sousa; enquanto os estudantes de Odontologia ligados ao NUBS ficaram responsáveis pela divulgação da ação. Alguns estudantes de Psicologia também aturaram dando apoio a ação preventiva. “Tem sido uma ação proveitosa, o que mostra o interesse das pessoas em se precaver dessas doenças” ressaltou a estudante Natália Medeiros Andrade, do 1º período de Odontologia. A estudante Lilian Rodrigues, do 6º período de Enfermagem, aproveitou a ação para exercitar os conhecimentos adquiridos em sala de aula e, juntamente com outros estudantes do curso, realizou a aplicação das vacinas.

Responsável pela coordenação do evento, a bióloga Marina de Sousa Gomes destacou a participação da comunidade e ressaltou a importância das vacinas e testes para prevenir as hepatites virais. O motorista Vanderley Severino mora em Arara e trabalha transportando estudantes para a UEPB. Ele ficou sabendo da ação e não perdeu tempo. Fez os três testes ofertados na atividade. “É importante aproveitar oportunidades como essa para cuidar da saúde”, disse. O resultado dos testes feitos nesta quarta-feira serão entregues na próxima semana.

As hepatites virais são patologias que acometem milhares de brasileiros todos os anos. Conforme dados oficiais do Ministério da Saúde, de 1999 a 2015 foram notificados 514.678 casos confirmados de hepatites virais no país. Apesar da gravidade dessas doenças, estudos do Ministério da Saúde mostram que 90% dos casos de hepatite, principalmente a do tipo C, são curáveis quando a doença é diagnosticada em sua fase inicial.

Segundo a professora Criseuda Maria Benício Barros, coordenadora do Núcleo Universitário de Biossegurança em Saúde, a atividade é importante para buscar reduzir os índices de casos confirmados dessas patologias na Paraíba, uma vez que, segundo o Sinan, somente no ano de 2015 foram confirmados 174 casos de hepatites virais em todo o Estado.

 

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: J.Cesar

[post_excerpt] => Em alusão ao Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, a ser lembrado no próximo dia 28 de julho, o Núcleo Universitário de Biossegurança em Saúde (NUBS) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realizou nesta quarta-feira (26) uma ação voltada para a prevenção e combate dessas doenças. A ação aconteceu na sala do NUBS, Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-26 17:58:38 [post_date] => 2017-07-26 17:58:38 [post_modified_gmt] => 2017-07-26 17:58:38 [post_modified] => 2017-07-26 17:58:38 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34125 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 3fe091314bcb0e90033833ea75ea18e2 [1] => 44b820e8d30a78fc27e6d499d641f934 ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 14 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais-2 )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

No image matches

Array ( )

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 3fe091314bcb0e90033833ea75ea18e2 [1] => 44b820e8d30a78fc27e6d499d641f934 ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :Núcleo de Biossegurança em Saúde da UEPB realiza ações de prevenção e combate às hepatites virais

Array ( [post_title] => Núcleo de Biossegurança em Saúde da UEPB realiza ações de prevenção e combate às hepatites virais [post_content] => Clique para exibir o slide.

Em alusão ao Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, a ser lembrado no próximo dia 28 de julho, o Núcleo Universitário de Biossegurança em Saúde (NUBS) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realizou nesta quarta-feira (26) uma ação voltada para a prevenção e combate dessas doenças. A ação aconteceu na sala do NUBS, localizada no Departamento de Odontologia, Câmpus de Campina Grande, e mobilizou estudantes e professores dos cursos de Odontologia, Enfermagem e Psicologia.

Na ocasião foram oferecidas várias atividades relacionadas à prevenção das hepatites virais, como vacina contra hepatite B e gripe influenza (H1N1), além de aplicadas doses de DTP contra tétano e difteria. Em outra sala, foram ofertados testes de hepatite dos tipos B e C e do HIV. A ação foi aberta para estudantes, servidores da Instituição, pacientes das Clínicas Escolas e a comunidade em geral. Toda a ação foi acompanhada pelo professor de Enfermagem Erijacson Damião, que aproveitou a ocasião para fornecer várias dicas preventivas das doenças virais, além de reforçar a importância das vacinas.

As vacinas foram aplicadas por estudantes de Enfermagem; os testes feitos pela bióloga Marina de Sousa; enquanto os estudantes de Odontologia ligados ao NUBS ficaram responsáveis pela divulgação da ação. Alguns estudantes de Psicologia também aturaram dando apoio a ação preventiva. “Tem sido uma ação proveitosa, o que mostra o interesse das pessoas em se precaver dessas doenças” ressaltou a estudante Natália Medeiros Andrade, do 1º período de Odontologia. A estudante Lilian Rodrigues, do 6º período de Enfermagem, aproveitou a ação para exercitar os conhecimentos adquiridos em sala de aula e, juntamente com outros estudantes do curso, realizou a aplicação das vacinas.

Responsável pela coordenação do evento, a bióloga Marina de Sousa Gomes destacou a participação da comunidade e ressaltou a importância das vacinas e testes para prevenir as hepatites virais. O motorista Vanderley Severino mora em Arara e trabalha transportando estudantes para a UEPB. Ele ficou sabendo da ação e não perdeu tempo. Fez os três testes ofertados na atividade. “É importante aproveitar oportunidades como essa para cuidar da saúde”, disse. O resultado dos testes feitos nesta quarta-feira serão entregues na próxima semana.

As hepatites virais são patologias que acometem milhares de brasileiros todos os anos. Conforme dados oficiais do Ministério da Saúde, de 1999 a 2015 foram notificados 514.678 casos confirmados de hepatites virais no país. Apesar da gravidade dessas doenças, estudos do Ministério da Saúde mostram que 90% dos casos de hepatite, principalmente a do tipo C, são curáveis quando a doença é diagnosticada em sua fase inicial.

Segundo a professora Criseuda Maria Benício Barros, coordenadora do Núcleo Universitário de Biossegurança em Saúde, a atividade é importante para buscar reduzir os índices de casos confirmados dessas patologias na Paraíba, uma vez que, segundo o Sinan, somente no ano de 2015 foram confirmados 174 casos de hepatites virais em todo o Estado.

 

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: J.Cesar

[post_excerpt] => Em alusão ao Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, a ser lembrado no próximo dia 28 de julho, o Núcleo Universitário de Biossegurança em Saúde (NUBS) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realizou nesta quarta-feira (26) uma ação voltada para a prevenção e combate dessas doenças. A ação aconteceu na sala do NUBS, Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-26 17:58:38 [post_date] => 2017-07-26 17:58:38 [post_modified_gmt] => 2017-07-26 17:58:38 [post_modified] => 2017-07-26 17:58:38 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=34125 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 3fe091314bcb0e90033833ea75ea18e2 [1] => 44b820e8d30a78fc27e6d499d641f934 ) [faf_process_image] => ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 [2] => 14 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => nucleo-de-biosseguranca-em-saude-da-uepb-realiza-acoes-de-prevencao-e-combate-as-hepatites-virais-2 )

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

Mais de 800 atletas participam da segunda Corrida de Rua da UEPB – Educando para viver bem

Array ( [post_title] => Mais de 800 atletas participam da segunda Corrida de Rua da UEPB – Educando para viver bem [post_content] => Clique para exibir o slide.

Pelo segundo ano consecutivo a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), por meio da Coordenadoria de Esportes e Lazer (COEL), realizou em Campina Grande a Corrida de Rua “Educando para viver bem”. A edição 2017 aconteceu no último domingo (16) e reuniu mais de 800 atletas, entre estudantes, professores, técnicos administrativos da Instituição e corredores da comunidade em geral de diversas cidades do Estado.

A corrida, que teve um percurso de cinco quilômetros e duração de duas horas, contou com a participação de pessoas entre 15 e 60 anos. A corrida, que nasceu dentro das comemorações dos 50 anos da Instituição, este ano teve como objetivo incentivar a prática da caminhada e corrida de rua para a comunidade acadêmica e toda sociedade paraibana, além de promover a inclusão social.

Além de se consolidar como evento do calendário esportivo da UEPB, a prova também passou a fazer parte do calendário de corridas de rua da cidade, contando com a parceria da Secretaria de Esporte, Juventude e Lazer (Sejel), da Prefeitura de Campina Grande. A corrida teve como ponto de partida e chegada o Museu de Arte Popular da Paraíba (MAPP), às margens do Açude Velho.

Após percorrer ruas como Severino Cruz, Miguel Couto, Benjamim Constant, Avenida Canal, Otacílio Nepomuceno, Raimundo Nonato, Severino Bezerra Cabral e Praça José Américo, os vencedores cruzaram a linha de chegada e subiram ao pódio para receber os troféus e medalhas.

O professor Eugênio Moura, coordenador de Esporte e Lazer da UEPB e idealizador da corrida, disse que este ano o evento superou as expectativas. Segundo ele, o número de inscritos foi bem superior ao da edição anterior. Além disso, a corrida ganhou destaque pela participação de atletas de outras cidades da Paraíba. Ele também destacou a parceria da UEPB com a Prefeitura Municipal de Campina Grande como imprescindível para as corridas de rua e para o esporte em geral.

O secretário de Esportes da cidade, Teles Albuquerque, também destacou a forma como a corrida foi organizada e a parceria celebrada com a UEPB. “A prova da UEPB foi genial. Nós entramos como parceiros, com o Mexe Campina e com a Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP), além de apoio logístico, e o resultado foi este: sucesso. Estamos adquirindo consciência para uma vida ativa, onde as pessoas estão buscando qualidade de vida através das corridas, trilhas, caminhadas e outros esportes”, comentou Teles.

Confira a classificação dos vencedores por categoria clicando AQUI.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Divulgação

[post_excerpt] => Pelo segundo ano consecutivo a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), por meio da Coordenadoria de Esportes e Lazer (COEL), realizou em Campina Grande a Corrida de Rua “Educando para viver bem”. A edição 2017 aconteceu no último domingo (16) e reuniu mais de 800 atletas, entre estudantes, professores, técnicos administrativos da Instituição e corredores da Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-17 14:40:20 [post_date] => 2017-07-17 14:40:20 [post_modified_gmt] => 2017-07-17 14:40:20 [post_modified] => 2017-07-17 14:40:20 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=33903 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 0c2e0809de3baf1d7d08aa4e54e4e411 [1] => 358b34b6cb3f112ee1f00c702c6bfc1d ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 12 [2] => 5 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

No image matches

Array ( )

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 0c2e0809de3baf1d7d08aa4e54e4e411 [1] => 358b34b6cb3f112ee1f00c702c6bfc1d ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :Mais de 800 atletas participam da segunda Corrida de Rua da UEPB – Educando para viver bem

Array ( [post_title] => Mais de 800 atletas participam da segunda Corrida de Rua da UEPB – Educando para viver bem [post_content] => Clique para exibir o slide.

Pelo segundo ano consecutivo a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), por meio da Coordenadoria de Esportes e Lazer (COEL), realizou em Campina Grande a Corrida de Rua “Educando para viver bem”. A edição 2017 aconteceu no último domingo (16) e reuniu mais de 800 atletas, entre estudantes, professores, técnicos administrativos da Instituição e corredores da comunidade em geral de diversas cidades do Estado.

A corrida, que teve um percurso de cinco quilômetros e duração de duas horas, contou com a participação de pessoas entre 15 e 60 anos. A corrida, que nasceu dentro das comemorações dos 50 anos da Instituição, este ano teve como objetivo incentivar a prática da caminhada e corrida de rua para a comunidade acadêmica e toda sociedade paraibana, além de promover a inclusão social.

Além de se consolidar como evento do calendário esportivo da UEPB, a prova também passou a fazer parte do calendário de corridas de rua da cidade, contando com a parceria da Secretaria de Esporte, Juventude e Lazer (Sejel), da Prefeitura de Campina Grande. A corrida teve como ponto de partida e chegada o Museu de Arte Popular da Paraíba (MAPP), às margens do Açude Velho.

Após percorrer ruas como Severino Cruz, Miguel Couto, Benjamim Constant, Avenida Canal, Otacílio Nepomuceno, Raimundo Nonato, Severino Bezerra Cabral e Praça José Américo, os vencedores cruzaram a linha de chegada e subiram ao pódio para receber os troféus e medalhas.

O professor Eugênio Moura, coordenador de Esporte e Lazer da UEPB e idealizador da corrida, disse que este ano o evento superou as expectativas. Segundo ele, o número de inscritos foi bem superior ao da edição anterior. Além disso, a corrida ganhou destaque pela participação de atletas de outras cidades da Paraíba. Ele também destacou a parceria da UEPB com a Prefeitura Municipal de Campina Grande como imprescindível para as corridas de rua e para o esporte em geral.

O secretário de Esportes da cidade, Teles Albuquerque, também destacou a forma como a corrida foi organizada e a parceria celebrada com a UEPB. “A prova da UEPB foi genial. Nós entramos como parceiros, com o Mexe Campina e com a Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos (STTP), além de apoio logístico, e o resultado foi este: sucesso. Estamos adquirindo consciência para uma vida ativa, onde as pessoas estão buscando qualidade de vida através das corridas, trilhas, caminhadas e outros esportes”, comentou Teles.

Confira a classificação dos vencedores por categoria clicando AQUI.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Divulgação

[post_excerpt] => Pelo segundo ano consecutivo a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), por meio da Coordenadoria de Esportes e Lazer (COEL), realizou em Campina Grande a Corrida de Rua “Educando para viver bem”. A edição 2017 aconteceu no último domingo (16) e reuniu mais de 800 atletas, entre estudantes, professores, técnicos administrativos da Instituição e corredores da Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-17 14:40:20 [post_date] => 2017-07-17 14:40:20 [post_modified_gmt] => 2017-07-17 14:40:20 [post_modified] => 2017-07-17 14:40:20 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=33903 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 0c2e0809de3baf1d7d08aa4e54e4e411 [1] => 358b34b6cb3f112ee1f00c702c6bfc1d ) [faf_process_image] => ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 12 [2] => 5 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => mais-de-800-atletas-participam-da-segunda-corrida-de-rua-da-uepb-educando-para-viver-bem )

FAF deciding on filters on post to be syndicated:

UEPB discute nova contratualização dos serviços das Clínicas Escola com a Prefeitura de Campina Grande

Array ( [post_title] => UEPB discute nova contratualização dos serviços das Clínicas Escola com a Prefeitura de Campina Grande [post_content] => Clique para exibir o slide.

O reitor em execício da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), professor Flávio Romero, recebeu na tarde desta segunda-feira (10), no Gabinete da Reitoria, o diretor de Planejamento da Secretaria de Saúde de Campina Grande, Eurivaldo Araújo, com o qual discutiu a nova contratualização dos serviços de saúde que são prestados pelas Clínicas Escola da Instituição através do Sistema Único de Saúde (SUS) para os usuários dos bairros de Bodocongó, Novo Bodocongó, Araxá, Morro dos Teimosos, Jeremias, Monte Santo e outras áreas próximas à Universidade. A professora Rilva Suely, diretora adjunta do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), também participou da reunião.

De acordo com Flávio Romero, essa nova contratualização será muito importante não apenas para a UEPB, que além dos serviços que já são oferecidos pelo Laboratório de Análises Clínicas (LAC) e as Clínicas de Fisioterapia e Odontologia, também passará a servir os usuários com as atividades das Clínicas de Enfermagem e Psicologia, mas sobretudo à Prefeitura de Campina Grande que terá condições de ampliar o antedimento médico da população. Ele ainda destacou que com essa medida a formação pedagógica dos alunos da área de Saúde será ainda mais qualificada.

“Essa nova contratualização será muito importante porque, primeiro, vamos ter condições de regularizar os repasses pelos serviços que já foram prestados através do Sistema Único de Saúde (SUS), manter um atendimento de qualidade à população e ainda dar um passo importante no processo pedagógico de formação dos nossos estudantes no campo de estágio feito dentro da própria Instituição. E isso aliado à prestação de um serviço voltado, sobretudo, para uma população localizada em uma área de vulnerabilidade social”, destacou Flávio Romero.

A professora Rilva Suely explicou que essa nova contratualização deverá ser confirmada em breve, após a participação da UEPB em um edital preparado e divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde. Ela ainda disse que alguns serviços contratualizados pela Prefeitura só são oferecidos pelas Clínicas Escola da UEPB, o que é um fator muito importante, uma vez que a população não ficará desassistida. “Nós temos, por exemplo, o oferecimento do serviço de Raio-X panorâmico na Clínica de Odontologia que é feito apenas na UEPB. Por isso essa relação de atendimento e serviço é muito importante”, acrescentou a diretoria adjunta do CCBS.

 

Texto: Givaldo Cavalcanti
Foto: Ricardo Soares

[post_excerpt] => O reitor em execício da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), professor Flávio Romero, recebeu na tarde desta segunda-feira (10), no Gabinete da Reitoria, o diretor de Planejamento da Secretaria de Saúde de Campina Grande, Eurivaldo Araújo, com o qual discutiu a nova contratualização dos serviços de saúde que são prestados pelas Clínicas Escola da Instituição Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-11 19:28:32 [post_date] => 2017-07-11 19:28:32 [post_modified_gmt] => 2017-07-11 19:28:32 [post_modified] => 2017-07-11 19:28:32 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=33833 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 26de910f29e56d5a0a6c55598ea5f7d3 [1] => 096415606ba8f4954ea61bef8399ac40 ) ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande )

Doing filter:faf_image_filter

Execute image filter

Image process

No image matches

Array ( )

Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 26de910f29e56d5a0a6c55598ea5f7d3 [1] => 096415606ba8f4954ea61bef8399ac40 ) )

Execute : Enclosure images

Enclosure save:

Array ( [0] => )

No match on

Decide filter: Returning post, everything seems orderly :UEPB discute nova contratualização dos serviços das Clínicas Escola com a Prefeitura de Campina Grande

Array ( [post_title] => UEPB discute nova contratualização dos serviços das Clínicas Escola com a Prefeitura de Campina Grande [post_content] => Clique para exibir o slide.

O reitor em execício da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), professor Flávio Romero, recebeu na tarde desta segunda-feira (10), no Gabinete da Reitoria, o diretor de Planejamento da Secretaria de Saúde de Campina Grande, Eurivaldo Araújo, com o qual discutiu a nova contratualização dos serviços de saúde que são prestados pelas Clínicas Escola da Instituição através do Sistema Único de Saúde (SUS) para os usuários dos bairros de Bodocongó, Novo Bodocongó, Araxá, Morro dos Teimosos, Jeremias, Monte Santo e outras áreas próximas à Universidade. A professora Rilva Suely, diretora adjunta do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), também participou da reunião.

De acordo com Flávio Romero, essa nova contratualização será muito importante não apenas para a UEPB, que além dos serviços que já são oferecidos pelo Laboratório de Análises Clínicas (LAC) e as Clínicas de Fisioterapia e Odontologia, também passará a servir os usuários com as atividades das Clínicas de Enfermagem e Psicologia, mas sobretudo à Prefeitura de Campina Grande que terá condições de ampliar o antedimento médico da população. Ele ainda destacou que com essa medida a formação pedagógica dos alunos da área de Saúde será ainda mais qualificada.

“Essa nova contratualização será muito importante porque, primeiro, vamos ter condições de regularizar os repasses pelos serviços que já foram prestados através do Sistema Único de Saúde (SUS), manter um atendimento de qualidade à população e ainda dar um passo importante no processo pedagógico de formação dos nossos estudantes no campo de estágio feito dentro da própria Instituição. E isso aliado à prestação de um serviço voltado, sobretudo, para uma população localizada em uma área de vulnerabilidade social”, destacou Flávio Romero.

A professora Rilva Suely explicou que essa nova contratualização deverá ser confirmada em breve, após a participação da UEPB em um edital preparado e divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde. Ela ainda disse que alguns serviços contratualizados pela Prefeitura só são oferecidos pelas Clínicas Escola da UEPB, o que é um fator muito importante, uma vez que a população não ficará desassistida. “Nós temos, por exemplo, o oferecimento do serviço de Raio-X panorâmico na Clínica de Odontologia que é feito apenas na UEPB. Por isso essa relação de atendimento e serviço é muito importante”, acrescentou a diretoria adjunta do CCBS.

 

Texto: Givaldo Cavalcanti
Foto: Ricardo Soares

[post_excerpt] => O reitor em execício da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), professor Flávio Romero, recebeu na tarde desta segunda-feira (10), no Gabinete da Reitoria, o diretor de Planejamento da Secretaria de Saúde de Campina Grande, Eurivaldo Araújo, com o qual discutiu a nova contratualização dos serviços de saúde que são prestados pelas Clínicas Escola da Instituição Leia Mais... [post_date_gmt] => 2017-07-11 19:28:32 [post_date] => 2017-07-11 19:28:32 [post_modified_gmt] => 2017-07-11 19:28:32 [post_modified] => 2017-07-11 19:28:32 [post_status] => publish [comment_status] => closed [ping_status] => closed [guid] => http://www.uepb.edu.br/?p=33833 [meta] => Array ( [enclosure] => Array ( [0] => ) [syndication_source] => CCBS – UEPB [syndication_source_uri] => http://www.uepb.edu.br [syndication_source_id] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [rss:comments] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/#respond [wfw:commentRSS] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/feed/ [syndication_feed] => http://www.uepb.edu.br/category/centros/ccbs/feed/ [syndication_feed_id] => 6 [syndication_permalink] => http://www.uepb.edu.br/uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande/ [syndication_item_hash] => Array ( [0] => 26de910f29e56d5a0a6c55598ea5f7d3 [1] => 096415606ba8f4954ea61bef8399ac40 ) [faf_process_image] => ) [post_type] => post [post_author] => 25 [tax_input] => Array ( [category] => Array ( [0] => 8 [1] => 5 ) [post_tag] => Array ( ) [post_format] => Array ( ) ) [post_name] => uepb-discute-nova-contratualizacao-dos-servicos-das-clinicas-escola-com-a-prefeitura-de-campina-grande )